SEDUC-RS publica as listas de classificação final do concurso do Magistério Estadual

fdrh-seduc

A lista final de classificados no concurso público para o Magistério/2013 foi divulgada, na manhã desta terça-feira (22), pela Secretaria de Estado da Educação (Seduc). O edital Nº25/2013 foi publicado no Diário Oficial do Estado e está disponível para consulta, também, no site da Fundação para o Desenvolvimento de Recursos Humanos (FDRH). Vale lembrar, que a nota final é composta pela nota obtida nas provas objetivas, equivalente a 80% do total, e a nota da prova de títulos, que compõe os 20% restantes.

>>> Acesse o EDITAL <<<
>> Consulte o resultado final <<

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO- SEDUC
EDITAL DE CONCURSOS PÚBLICOS N° 25/2013

DIVULGA AS LISTAS DE CLASSIFICAÇÃO FINAL DO CONCURSO PÚBLICO, HOMOLOGA OS RESULTADOS E PRESTA OUTROS ESCLARECIMENTOS.

O Secretário de Estado da Educação, no uso de suas atribuições, divulga por este Edital as listas de classificação final do Concurso Público para Professor do Quadro do Magistério Público Estadual, homologa os resultados e presta outros esclarecimentos.

1. LISTA DOS RESULTADOS E CLASSIFICAÇÃO FINAL
1.1. Os resultados com a classificação final encontram-se à disposição dos interessados nos sites: http://www.fdrh.rs.gov.br e http://www.educacao.rs.gov.br

2. HOMOLOGAÇÃO DOS RESULTADOS
Consideram-se homologados os resultados divulgados nas listas de classificação final conforme item 1.1 deste Edital.

3. DA NOMEAÇÃO
3.1. A nomeação ficará sob a responsabilidade da Secretária de Estado da Educação, por meio de Edital próprio, que definirá prazos e demais procedimentos a serem observados referentes aos candidatos aprovados e pelo site http://www.educacao.rs.gov.br/concursomagisterio2013.
3.2. Os candidatos serão informados previamente por meio de Correspondência Oficial e pelo site http://www.educacao.rs.gov.br/concursomagisterio2013 referente aos procedimentos que serão adotados por ocasião da sua nomeação e posse.
3.3. A nomeação e a posse se darão por grupos de Coordenadorias, respeitando a ordem de classificação de cada candidato, em dia e hora a serem informados previamente.
3.3.1. O procedimento ocorrerá em Porto Alegre como forma de agilizar os processos de admissão e posse, garantindo a implantação imediata na folha de pagamento do Magistério Público Estadual.
3.4. Os exames médicos admissionais serão agendados com dia e hora para o comparecimento ao DMEST – Departamento Médico Estadual, em Porto Alegre.
3.4.1. Os candidatos deverão apresentar no ato da consulta médica os seus exames realizados com seu médico, sendo que o resultado da Perícia Médica será publicado no Diário Oficial do Estado.
3.5. Será de responsabilidade do candidato, respeitar o cumprimento dos prazos e horários determinados a fim de garantir o seu ingresso na administração pública estadual.

Porto Alegre, 22 de outubro de 2013.

José Clóvis de Azevedo,
Secretário de Estado da Educação.

SEDUC-RS: Convocações iniciam em outubro. Novo concurso em 2014.

seducrs2013

O concurso para a Secretaria de Educação do Rio Grande do Sul (Seduc-RS), que ofereceu 10 mil vagas para todo o estado, para nível médio e superior, está em processo final de homologação. Dos mais de 69 mil inscritos, aproximadamente 11 mil foram aprovados. Segundo a assessoria do órgão, as convocações dos aprovados começam em outubro. Há também a possibilidade de realização de uma nova seleção em 2014, mas tudo será resolvido apenas após a chamada dos aprovados que deve ocorrer em grupos como ocorreu no ultimo certame.

Fontes da Secretaria da Educação informam que todos os aprovados serão chamados, inclusive os que restaram aprovados fora das vagas previstas no edital de concurso público.

magist-rs

Os vencimentos básicos variam de R$488,52 a R$842,70, para o nível médio, e de R$635,08 a R$1.465,56, para o superior. Há benefícios como completivo salarial que integraliza o valor de R$783,50 para os que o salário base não alcançam esse valor, gratificação por unidocência e classe especial no valor de R$244,26, triênios de até 50% do vencimento básico do professor, gratificação por função, auxílio-alimentação no valor de R$155,32 e auxílio transporte equivalente a duas passagens municipais/dia útil. A carga de trabalho é de 20 horas semanais. O concurso será válido por dois anos, podendo ser prorrogado por igual período.

Com informações da Folha Dirigida (com inclusões do Prof. Omar Martins)

ProUni: Inscrições abertas para mais de 90 mil bolsas em instituições particulares

prouni

No processo seletivo deste segundo semestre, o Programa Universidade para Todos (ProUni) oferece 90.045 bolsas — 55.693 integrais. As inscrições on-line estão abertas até terça-feira, 25. Para fazer a inscrição, o candidato deve ter no mínimo 450 pontos na média das notas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e nota na redação que não tenha sido zero.

O processo prevê duas chamadas. O resultado da primeira será divulgado no dia 28, pela internet. Desse dia, até 5de julho, o estudante pré-selecionado deve comparecer à respectiva instituição de ensino para aferição das informações prestadas no momento da inscrição, providenciar a matrícula e, se for o caso, participar de seleção própria da instituição.

O resultado da segunda chamada está previsto para 13 de julho. O estudante terá de 15 a 19 de julho para comprovar as informações e providenciar a matrícula.

Caso pretenda integrar a lista de espera, o candidato terá de fazer a adesão, também on-line, de 26 a 29 de julho. A lista estará disponível no Sistema Informatizado do ProUni (Sisprouni) para consulta pelas instituições em 1º de agosto. No dia seguinte, será feita a primeira convocação. O candidato selecionado terá até o dia 7 do mesmo mês para a comprovação dos documentos e matrícula. Em 12 de agosto, será feita a segunda convocação. O prazo para aferição dos documentos e matrícula vai até o dia 15.

Criado em 2005, o ProUni oferece bolsas de estudos em instituições particulares de educação superior a estudantes egressos do ensino médio da rede pública. Também são atendidos bolsistas integrais oriundos da rede particular. Para a bolsa integral, o candidato precisa comprovar renda bruta familiar, por pessoa, de até 1,5 salário mínimo. Para a bolsa parcial, de até três salários mínimos.

Os candidatos a bolsas devem fazer a inscrição on-line e consultar número de vagas por instituição na página do ProUni na internet. O Edital nº 6, de 17 de junho de 2013, da Secretaria de Educação Superior (Sesu), sobre o processo seletivo do ProUni para este segundo semestre, foi publicado no Diário Oficial da União do dia 18 último, seção 3, página 59. Na mesma edição, seção 1, páginas 4 a 7, foi publicada a Portaria Normativa do MEC nº 11, de 17 de junho de 2013, que regulamenta o processo.

Com informações do MEC.

Blog do AGORA EAD: Prefeitura de Porto Alegre publica Edital para PROFESSOR

smed-poa

Publicado hoje, 7/6, no Diário Oficial do Município de Porto Alegre (DOPA), o Edital n.º 80/2013 para a realização de concursos para a área de magistério para a Prefeitura Municipal de Porto Alegre.

  • CP479 PROFESSOR – EDUCAÇÃO INFANTIL
  • CP 480 PROFESSOR – EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL – ANOS INICIAIS

 >>> Veja o EDITAL publicado aqui <<<

Acesse www.agoraead.com.br e veja os cursos online (EAD) em preparação aos certames. Manifeste interesse postando comentário no nosso blog ou envie comentários para agoraead@gmail.com .

professor-porto-alegre

A prova objetiva para os cargos de Professor – Educação Infantil e Professor – Ensino Fundamental/ Anos Iniciais abrangerá as seguintes disciplinas:

QUESTÕES DA PROVA 

provas-smed

CRONOGRAMA DO CONCURSO 

cronograma-smed2013

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS

CONHECIMENTOS DE LÍNGUA PORTUGUESA

1. ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DE TEXTO:
Compreensão global do texto. Estrutura do texto e dos parágrafos. Ideias principais e secundárias. Elementos de coesão. Inferências. Efeitos de sentido.
2. VOCABULÁRIO:
Significados de palavras e expressões no texto. Substituições de palavras e de expressões no texto. Estrutura e formação de palavras. Denotação e conotação.
3. ASPECTOS LINGUISTICOS:
Ortografia: emprego de letras. Fonética: relações entre fonemas e letras; classificação dos fonemas; encontros consonantais e vocálicos; dígrafos. Acentuação gráfica. Emprego e flexão das classes gramaticais. Relações morfossintáticas. Vozes verbais. Concordância nominal e verbal. Regência nominal e verbal.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:
1. CEGALLA, Domingos Paschoal. Novíssima gramática da língua portuguesa. 46ª ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 2007.
2. FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Novo dicionário da língua portuguesa. 6ª ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2007.
3. FIORIN, José Luiz; SAVIOLI, Francisco Platão. Para entender o texto: leitura e redação. 5ª ed. 3ª reimpressão. São Paulo: Ática, 2008.

CONHECIMENTOS DE LEGISLAÇÃO
1. CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL
Dos princípios fundamentais (1º a 4º); Dos direitos e deveres individuais e coletivos (art. 5º); Dos direitos sociais (art. 6º a 8º); Dos Municípios (arts. 29 a 31);Da Administração Pública (arts. 37 a 41);
2. LEI ORGÂNICA DO MUNICÍPIO DE PORTO ALEGRE
Dos princípios gerais da organização municipal (arts. 1º a 10); Da Administração Pública (arts. 17 a 29); Dos servidores municipais (arts. 30 a 49);
3. ESTATUTO DOS FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE PORTO ALEGRE
Lei complementar municipal nº 133, de 31 de dezembro de 1985.
4. REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES DO MUNICÍPIO DE PORTO ALEGRE
Lei Complementar Municipal n. 478/02.
5. DIREITO ADMINISTRATIVO
Conceito, Estrutura e organização da Administração Pública do Município. Órgãos públicos. Hierarquia administrativa. Atividade administrativa: conceito, natureza, fim e princípios básicos. Improbidade administrativa – Lei Federal n. 8.429 de 1992
6. PRINCÍPIOS INFORMATIVOS DO DIREITO ADMINISTRATIVO
Princípio da Legalidade. Princípio da Impessoalidade. Princípio da Moralidade. Princípio da Publicidade. Princípio da Finalidade. Princípio da Continuidade. Princípio da Indisponibilidade. Princípio da Autotutela. Princípio da Supremacia do Interesse Público. Princípio da Igualdade. Princípio da Eficiência. Princípio da Motivação. Princípio da Razoabilidade.

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS
PROFESSOR – EDUCAÇÃO INFANTIL 
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS:
1. Desenvolvimento infantil: aspectos físicos, afetivos, cognitivos e sociais.
2. Currículo na Educação Infantil
3. Profissional da Educação Infantil
4. Inclusão na Educação Infantil.
5. Documentação pedagógica: observação, registros e avaliação.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:
FARIA, Vitória; SALLES, Fátima. Currículo na Educação Infantil: diálogos com os demais elementos da Proposta Pedagógica. São Paulo: Scipione, 2007.
FREIRE, Madalena. A paixão de conhecer o mundo: relato de uma professora. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.
HOFFMANN, Jussara. Avaliação na pré-escola. Um olhar sensível e reflexivo sobre a criança. Porto Alegre: Mediação, 1997.
KAERCHER, Gládis E. P.; CRAIDY, Carmen M. (org). Educação Infantil: pra que te quero? Porto Alegre: Artmen, 2001.
MARTINS FILHO, Altino J. (org.). Criança pede respeito: temas em Educação Infantil. Porto Alegre: Mediação, 2005.
OLIVEIRA-FORMOSINHO, Júlia (org.). Pedagogia(s) da infância: dialogando com o passado: construindo o futuro. Porto Alegre: Artmed, 2007.
OLIVEIRA, Zilma de Oliveira (org.). Creches: crianças, faz de conta & Cia. Petrópolis: Vozes, 1993. OSTETTO, Luciana. Encontros e encantamentos na Educação Infantil. Campinas: Papirus, 2000.
______. (org.). Educação Infantil: saberes e fazeres da formação de professores. Campinas: Papirus, 2008.
ZORTEA, Ana Maira. Inclusão na Educação Infantil: as crianças nos (des)encontros com seus pares. Porto Alegre: Redes Editora, 2011.

LEGISLAÇÃO ESPECÍFICA:
1. Legislação Educacional
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:
BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal, 1988.
BRASIL. Lei Federal n. 8069 de 1990. Estatuto da Criança e do Adolescente. Brasília: Senado Federal, 1990.
______. Lei Federal n. 9394 de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília: Senado Federal, 1996.
______. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Referencial curricular nacional para a Educação Infantil. Brasília: MEC/SEF, 1998. 3 v.
______. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Política Nacional de Educação Infantil: pelo direito das crianças de 0 a 6 anos à Educação. Brasília: MEC/SEB, 2005.
______. Parâmetros de qualidade para Educação Infantil. V. 1 e 2. Brasília: MEC/SEB, 2008.
______. Critérios para um atendimento em creches que respeite os direitos fundamentais das crianças. Brasília: MEC/SEB, 2009.
______. Diretrizes Curriculares Nacionais da Educação Infantil. Brasília: MEC/SEB, 2010.
CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE PORTO ALEGRE. Resolução 03 de 2001. Estabelece normas para a oferta da educação infantil no SME. Porto Alegre: CME, 2001.
CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Parecer n. 20, de 9 de dezembro de 2009. Brasília:
CNE/CEB, 2009.
______. Resolução n. 5, de 17 de dezembro de 2009. Fixa as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília: CNE/CEB, 2009.

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS:
1. Culturas infantis.
2. Planejamento da ação educativa para crianças entre 0 e 5 anos e 11 meses.
3. Organização dos tempos e dos espaços na escola infantil.
4. Projetos pedagógicos na Educação Infantil.
5. Relações entre adultos e crianças e entre as crianças na escola infantil.
6. Brincar na Escola Infantil.
7. Relação escola, família e comunidade.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:
BARBOSA, Maria Carmen S. Por amor e por força: rotinas na Educação Infantil. Porto Alegre: Artmed, 2006.
______. ; HORN, Maria da Graça S. Projetos pedagógicos na Educação Infantil. Porto Alegre: Artmed, 2008.
BASSEDAS, Eulália; HUGUET, Teresa; SOLÈ, Isabel. Aprender e ensinar na Educação Infantil. Porto Alegre: Artmed, 1999.
CRAIDY, Carmen M. (org.). O educador de todos os dias. Convivendo com crianças de 0 a 6 anos. Porto Alegre: Mediação, 1998.
DEVRIES, Rheta; ZAN, Betty. A ética na Educação Infantil: o ambiente sócio-moral na escola. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.
EDWARDS, Carolyn P. (org.). As cem linguagens da criança. Porto Alegre: Artmed, 1999.
GUIMARÃES, Daniela. Relações entre bebês e adultos na creche: o cuidado como ética. São Paulo: Cortez, 2011.
HORN, Maria da Graça S. Sabores, cores, sons e aromas: a organização dos espaços na educação infantil. Porto Alegre: Artmed, 2004.
KAERCHER, Gládis E. P.; CRAIDY, Carmen M. (org). Educação Infantil: pra que te quero? Porto Alegre: Artmed, 2001.
KISHIMOTO, Tizuko M. (org.). Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. São Paulo: Cortez, 1996.
KUHLMANN JÚNIOR, Moyses. Infância e Educação Infantil: uma abordagem histórica. Porto Alegre: Mediação, 1998.
MARTINS FILHO, Altino J. (org.). Criança pede respeito: temas em Educação Infantil. Porto Alegre: Mediação, 2005.
MELLO, Ana Maria (org.). O dia a dia das creches e pré-escolas: crônicas brasileiras. Porto Alegre: Artmed, 2010.
MOYLES, Janet R. Só Brincar? O papel do brincar na educação infantil. Porto Alegre: Artmed, 2002.
OLIVEIRA, Zilma de Oliveira (org.). Creches: crianças, faz de conta & Cia. Petrópolis: Vozes, 1993.
OSTETTO, Luciana. Encontros e encantamentos na Educação Infantil. Campinas: Papirus, 2000.
ROSSETTI-FERREIRA, Maria Clotilde (org.). Os fazeres na Educação Infantil. São Paulo: Cortez, 1998.

PROFESSOR – ENSINO FUNDAMENTAL – ANOS INICIAIS 
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS:
1. História das ideias pedagógicas
2. Educação Popular – gestão democrática e participativa
3. Currículo e matérias pedagógicas
4. Organização e práticas do trabalho pedagógico
5. Psicologia e desenvolvimento cognitivo infantil
6. Avaliação

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:
ARROYO, Miguel. Ciclo de Desenvolvimento Humano e Formação de Educadores. Revista Educação & Sociedade. Campinas/ SP: Cedes, volume 20, ano XX, número 68, dez/ 1999 (p. 144-162).
BRASIL: MEC- Ensino Fundamental de nove anos: orientações para a inclusão da criança de seis anos de idade/ organização Jeanete Beauchamp, Sandra Denise Pagel, Aricélia Ribeiro do Nascimento. – Brasília: Ministério da Educação, Secretaria da Educação Básica, 2007.
BRASIL: MEC – Indagações sobre currículo. Autores: Elvira Lima, Miguel Arroyo, Antonio Flávio Barbosa, Vera Maria Candau, Nilma Lino Gomes, Cláudia de Oliveira Fernandes, Luiz Carlos de Freitas. Brasilia: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2008.
COSTA, Marisa Vorraber. Currículo e Política Cultural. In: COSTA, Marisa Vorraber. O currículo nos limiares do contemporâneo. 3 ed. – Rio de Janeiro: DP&A, 2001.
FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia. São Paulo: Paz e Terra, 1996.
GADOTTI, Moacir. História das ideias pedagógicas. 8 ed. – São Paulo: Ática, 1999.
HOFFMANN, Jussara. Avaliação – mito & desafio uma perspectiva construtivista. 41 ed. Porto Alegre: Mediação, 2011.
PERRENOUD, P. Os ciclos de aprendizagem: um caminho para combater o fracasso escolar. Porto Alegre: Artmed, 2004.
_________________. Dez Novas Competências para Ensinar. Porto Alegre: Artmed, 2000.
VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1987.

Textos da Revista Nova Escola – textos online:

LEGISLAÇÃO ESPECÍFICA:
1.Legislação Educacional

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:
Lei 9.394/1996- Lei de Diretrizes e Base da Educação (LDB)
Decreto n° 6.094/2007- Plano de Metas Compromisso Todos pela Educação Portaria Normativa Interministerial n. 17/ 2007 – Programa Mais Educação Portaria 1.458/2012- Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa – Ministério da Educação – (Disponível em: http://www.pacto.mec.gov.br)

Resoluções e Pareceres do Conselho Nacional de Educação
Resolução CNE/CP nº 1/ 2004- Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana Parecer CNE/CEB nº02/2007-Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana.
Parecer CNE/CEB nº 5/2007 -Ensino Fundamental de nove anos e da matrícula obrigatória de crianças de seis anos no Ensino Fundamental.
Resolução CNE/ CEB nº 4/ 2009 – Diretrizes Operacionais para o Atendimento Educacional Especializado na Educação Básica, Modalidade Educação Especial.
Resolução CNE/CEB nº 3/2010- Diretrizes Operacionais para a Educação de Jovens e Adultos
Resolução CNE/CEB nº 4/ 2010-Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais para a Educação Básica
Parecer CNE/CEB nº11/2010- Diretrizes Curriculares Nacionais paras Ensino Fundamental de 9 anos
Parecer CNE/CEB nº07/2010- Diretrizes Curriculares Gerais para Educação Básica Parecer CNE/CEB Nº 6/2010- Diretrizes Operacionais para a Educação de Jovens e Adultos – EJA
Parecer CNE/CEB Nº 16/2012- Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Escolar Quilombola
Parecer CNE/CEB Nº 22/2009- Diretrizes Operacionais para a implantação do Ensino Fundamental de 9 (nove) anos
Resoluções e Pareceres do Conselho Municipal de Educação/ MEC
Parecer nº 11/2011- Organização Curricular dos três anos do Ensino Fundamental
Resolução nº 08/2006- Oferta do Ensino Fundamental na Rede Municipal de Ensino
Resolução nº 10/2010- Normas para a Oferta de Cultura Religiosa
Resolução nº 09/2009- Diretrizes para Oferta da Modalidade Educação de Jovens e Adultos

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS:
1. Ciclos, Seriação e Avaliação Escolar
2. Avaliações na educação básica (Provinha Brasil, Prova Brasil, Saeb e Ideb)
3. Ciclos de vida e aprendizagem
4. Neurociências e suas implicações pedagógicas
5. Escola contemporânea
6. Geração Z
7. Educação integral
8. Alfabetização e letramento
9. A construção do número e numeramento
10. Psicogênese e aquisição da leitura e da escrita
11. Letramento nas áreas de ciências humanas e da natureza
12. Diversidade: gênero, etnia, raça, sexualidade
13. Educação e inclusão (alunos com necessidades educativas especiais)
14. Formação de professores

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:
ABRAMOWICZ, Anete, GOMES, Nilma Lino (orgs.). Educação e Raça: perspectivas políticas, pedagógicas e estéticas. Coleção: cultura negra e identidades. Autêntica, 2011.
ALBUQUERQUE, Eliana B. C., MORAIS, Artur G. E FERREIRA, Andréa Tereza B. As práticas cotidianas de alfabetização: o que fazem as professoras? Revista Brasileira de Educação. v. 13, n.38.maio/ago 2008. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbedu/v13n38/05.pdf
BAPTISTA, Cláudio Roberto. “A inclusão e seus sentidos: entre edifícios e tendas”. PPGEDU/ UFRGS. Disponível online em: http://www.educacaoparavida.com/resources/A%20inclus%C3%A3o%20e%20seus%20sentidos.pdf)

BRASIL: MEC- Ensino Fundamental de nove anos: orientações para a inclusão da criança de seis anos de idade/ organização Jeanete Beauchamp, Sandra Denise Pagel, Aricélia Ribeiro do Nascimento. – Brasília: Ministério da Educação, Secretaria da Educação Básica, 2007.
BRASIL: MEC – PDE : Plano de Desenvolvimento da Educação : Prova Brasil : ensino fundamental: matrizes de referência, tópicos e descritores. Brasília : MEC, SEB; Inep, 2008.
BRASIL: MEC- Caderno de Reflexões – Jovens de 15 a 17 Anos no Ensino Fundamental. Autores: Ana Paula Corti, Claudia Lemos Vóvio, Juarez Dayrell, Maria Amabile Mansutti, Neroaldo Pontes Azevedo, Paulo Henrique de Queiroz Nogueira, Raquel Souza, Shirley Aparecida de Miranda, Washington Carlos Ferreira Oliveira. Brasília: Via Comunicação. 2011.
BRASIL: MEC – Indagações sobre currículo. Autores: Elvira Lima, Miguel Arroyo, Antonio Flávio Barbosa, Vera Maria Candau, Nilma Lino Gomes, Cláudia de Oliveira Fernandes, Luiz Carlos de Freitas. Brasilia: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2008.
BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais. Secretaria de Educação Fundamental. – Brasília : MEC/SEF, 1997
CAGLIARI, Luiz Carlos, A leitura, in Alfabetização e lingüística, A escrita, in Alfabetização e lingüística – São Paulo: Scipione, 2009.
CASTANHEIRA, Maria Lúcia, MACIEL, Francisca Izabel Pereira, MARTINS, Raquel Márcia Fontes (orgs) “Alfabetização e letramento na sala de aula”. 2ed. – Belo Horizonte: Autêntica Editora: Ceale, 2009.
DORNELLES, Beatriz Vargas. Laboratórios de Aprendizagem: funções, limites e possibilidades. In: MOLL, Jaqueline & colaboradores. Ciclos na escola, tempos na vida: criando possibilidades. Porto Alegre: Artmed, 2004.
FERREIRO, Emília e TEBEROSKY, Ana. Atos de leitura. In: Psicogênese da língua escrita. Porto Alegre, Artmed, 1999.
________________. Evolução da Escrita. In: Psicogênese da língua escrita. Porto Alegre, Artmed, 1999.
FREITAS, Luiz Carlos de. Ciclos, seriação e avaliação: confrontos de lógicas. – São Paulo: Moderna, 2003.
_______________. Avaliação: para além da “forma escola”. Revista Educação: Teoria e Prática – v. 20, n.35, jul.- dez.-2010, p. 89-99.
KAMII, Constance. A criança e o número: implicações educacionais da teoria de Piaget para a atuação com escolares de 4 a 6 anos: 11ed. – Campinas, SP: Papirus, 1990.
LIMA, Elvira Souza. Escrita para todos: a aplicação da neurociência na docência e na aprendizagem. Cadernos do CEPAOS 1 – São Paulo: CEPAOS – Centro de Estudos e Pesquisas Armando de Oliveira Souza, 2013.
__________________. Ciclos de Formação: uma reorganização do tempo escolar. São Paulo: Grupo de Estudos do Desenvolvimento Humano, 2000.
MACIEL, Francisca Izabel Pereira e LÚCIO, Iara Silva. Os conceitos de alfabetização e letramento e os desafios da articulação entre teoria e prática. In: CASTANHEIRA, Maria Lúcia, MACIEL, Francisca Izabel Pereira, MARTINS, Raquel Márcia Fontes. (organizadoras) Alfabetização e letramento na sala de aula. – 2ed. – Belo Horizonte: Autêntica Editora: Ceale, 2009.
MAINARDES, Jefferson. A organização da escolaridade em ciclos: ainda em desafio para os sistemas de ensino. In: Avaliação, ciclos e promoção na educação, FRANCO, Creso (organizador). Porto Alegre: Artmed, 2001.
MORAES, Lenir dos Santos. Interações matemáticas na aprendizagem da leitura e da escrita. In: A criança de 6 anos no ensino fundamental. Andrea Rapoport, Dirléia Fanfa Sarmento, Marta Nörnberg e Suzana Moreira Pacheco; organizadoras; Andrea Gabriela Ferrari et al. – Porto Alegre: Mediação, 2009.
MOREIRA, Maria Luiza. A Gramática do verbo aprender. Reflexões sobre a aprendizagem da escrita e da leitura nas escolas municipais de Porto Alegre In: MOLL, Jaqueline & colaboradores. Ciclos na escola, tempos na vida: criando possibilidades. Porto Alegre: Artmed, 2004.
SOARES, Magda. Alfabetização e letramento. 5ed. – São Paulo: Contexto, 2007.
VASCONCELLOS, Celso dos S. Avaliação da Aprendizagem: Práticas de Mudança – por uma práxis transformadora, 10a ed. São Paulo: Libertad, 2009.
__________. O currículo organizado em Ciclos de Formação. In: Coordenação do Trabalho Pedagógico: do projeto político-pedagógico ao cotidiano da sala de aula. 9a ed. São Paulo: Libertad, 2009.
Diálogos com a Geração Z. Fronteiras Educação. Ano3. 01/2012. Linguagem e Produção de Sentido. Disponível em: http://www.fronteirasdopensamento.com.br/educacao/?20 Diálogos com a Geração Z. Fronteiras Educação. Ano1. 05/2010. A era da conectividade. Disponível em: http://www.fronteirasdopensamento.com.br/educacao/?20
Educação integral : texto referência para o debate nacional. – Brasília : Mec, Secad, 2009. 52 p. : il. – (Série Mais Educação) Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/cadfinal_educ_integral.pdf
Provinha Brasil: Matriz de Referência para Avaliação da Alfabetização e do Letramento Inicial. Disponível em: http://download.inep.gov.br/educacao_basica/provinha_brasil/matriz_referencia/2009/matriz_de_referencia_provinha_brasil.pdf Provinha Brasil: Matriz de Referência para Avaliação da Alfabetização Matemática Inicial Disponível em: http://download.inep.gov.br/download/provinhabrasil/2011/matriz_provinha_matematica.pdf .

SisU oferece 39,7 mil vagas no ensino superior

sisu2

A segunda edição do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) de 2013 vai oferecer 39.724 vagas em 1.179 cursos de 54 instituições de ensino superior. Os dados foram divulgados pelo Ministério da Educação (MEC) nesta segunda-feira (3/6). No segundo semestre de 2012, foram oferecidas 30.548 vagas, disponíveis em 56 instituições de ensino superior.

sisu3-cronogramaO Sisu é o sistema informatizado do Ministério da Educação no qual instituições públicas de ensino superior oferecem vagas para candidatos participantes do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

As inscrições para a segunda edição do ano do Sisu estarão abertas no período de 10 a 14 de junho. Os alunos poderão se inscrever no portal do Sisu. As inscrições serão aceitas até as 23h59 de 14 de junho.

Podem se inscrever os estudantes que tenham participado do Enem 2012 e não tenham tirado zero na redação. Por meio do Sisu, o estudante concorre a vagas em cursos de graduação em universidades e institutos federais de ensino superior.

O edital com detalhes do Sisu foi publicado hoje (3) no Diário Oficial da União. A primeira chamada está marcada para o dia 17 de junho e a segunda, para 1° de julho. As matrículas da primeira chamada estão marcadas para os dias 21, 24 e 25 de junho as da segunda chamada para os dias 5, 8 e 9 de julho.

o que é o Sisu
O Sisu é o sistema informatizado do Ministério da Educação por meio do qual instituições públicas de educação superior oferecem vagas a candidatos participantes do Enem.

Período de inscrições
Fique atento ao período de inscrições! De 10 de junho a 14 de junho.

Para se inscrever você precisa ter feito o Enem 2012 com nota maior que zero na redação. Tenha em mãos o número de inscrição e senha no Enem 2012. Veja detalhes em http://sisu.mec.gov.br/como-se-inscrever .

Com informações da Agência Brasil e Portal do SisU.

 

Polícia Civil RS 2013: Concurso autorizado!

pcrs2013

>>> Aproveite AGORA e faça o melhor CURSO para a Polícia CIl! <<<

Mais 700 policiais civis devem estar nas delegacias no ano que vem. O governador Tarso Genro assinou, na tarde dessa quinta-feira (4.4), a autorização para o concurso público com 350 vagas para inspetor e 350 para escrivão. Os primeiros 400 devem ser chamados no primeiro semestre de 2014 e o restante, no segundo semestre. “Não estamos apenas contratando, mas sim oferecendo melhor formação, salário e equipamentos. Isso representa a qualificação da segurança pública”, disse o governador.

O secretário da Segurança Pública, Airton Michels, destacou que estes profissionais se somarão aos dois mil soldados da Brigada Militar que serão contratados também no ano que vem. “Estamos solucionando uma demanda atrasada que o Governo do Estado está resolvendo agora. E o número vai aumentar efetivamente, visto que, muitas vezes, apesar das contratações, muitos se aposentavam”, ressalta Michels.

A assinatura ocorreu no Gabinete do Governador, no Palácio Piratini, e contou com as presenças do chefe da Casa Civil, Carlos Pestana, do subchefe de Polícia, Ênio Gomes de Oliveira, e do comandante-geral da Brigada Militar, Fábio Duarte Fernandes.

Veja EDITAIS, PROVAS e GABARITOS anteriores da PC-RS

Concursos anteriores da Polícia Civil do Rio Grande do Sul (PC/RS)

PROGRAMA ANTERIOR DOS CONCURSOS – PC/RS


PROGRAMAS E BIBLIOGRAFIAS DAS PROVAS ESCRITAS – PRELIMINAR (Edital 55/2010)

LÍNGUA PORTUGUESA
Leitura e interpretação de texto; Significação das palavras: sinônimo, antônimo, conotação, denotação, homônimos, parônimos, polissemia, figuras de linguagem, vícios de linguagem; Fonologia; Fonemas e letras; Encontros vocálicos e consonantais; Separação silábica, classificação quanto ao número de sílabas e tonicidade; Ortografia; Emprego de H, X, CH, C, Ç, SS, Z, J, G, E, I, O, U; Hífen; Acentuação gráfica; Aplicação das regras de acentuação gráfica; Acento diferencial; Morfologia; Estrutura e processos de formação das palavras; Classe gramatical: invariáveis, variáveis com suas flexões de gênero, número, grau, tempos verbais e vozes verbais; Sintaxe; Frase, oração e período; Sintaxe interna: termos principais (essenciais e integrantes) e acessórios da oração; Sintaxe externa: coordenação e subordinação; Regência verbal; Regência nominal; Concordância verbal; Concordância nominal; Crase; Colocação pronominal; Pontuação.

BIBLIOGRAFIA :
BECHARA, Evanildo. Moderna Gramática Portuguesa. Rio de Janeiro: Lucerna, 2001.
CUNHA, Celso; CINTRA, Lindley. Nova Gramática do Português Contemporâneo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.
FARACO, Carlos Alberto & TEZZA, Cristóvão. Prática de texto para estudantes universitários. Petrópolis: Vozes, 2001.
HOUAISS, Antonio; VILLAR, Mauro de Salles. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2009.
KÖECH, Vanilda Salton; BOFF, Odete Maria Benetti & PAVANI, Cinara Ferreira. Prática textual: atividades de leitura e escrita. Petrópolis: Vozes, 2006.
PLATÃO, Francisco S.; FIORIN, José Luiz. Lições de Texto: leitura e redação. São Paulo: Àtica, 2005.
SAVIOLI, Francisco Platão; FIORIN, José Luís. Para entender o texto – leitura e redação. São Paulo: Ática, 2001.

DIREITO PENAL
Princípios constitucionais do Direito Penal. A lei penal no tempo, no espaço e em relação às pessoas. Interpretação da lei penal. Tipicidade e suas excludentes. Ilicitude e suas excludentes. Culpabilidade e suas excludentes. Concurso de agentes. Concurso de crimes. Dos crimes em espécie: contra a pessoa; contra patrimônio; contra liberdade sexual; contra administração pública; contra a fé pública. Lei das Contravenções Penais (Decreto-Lei nº 3.688/41). Abuso de autoridade (Lei nº 4.898/1965). Lei nº 8.069/1990 (Estatuto da criança e do adolescente – da prática do ato infracional – dos crimes). Código de Defesa do Consumidor (Lei nº 8.078/1990). Crimes hediondos (Lei nº 8.072/1990 e alterações feitas pela Lei nº 11.464/2007). Lei 8.137/90. Lei nº 9.099/1995. Tortura (Lei nº 9.455/1997). Código de Trânsito Brasileiro (Lei nº 9.503/1997, Cap. XIX, e Lei nº 11.705/2008). Lei nº 9.459/1997. Lei do Meio Ambiente (Lei nº 9.605/1998). Lei nº 10.409/2002. Estatuto do Idoso (Lei nº 10.741/2003). Lei nº 10.826/2003. Estatuto do Desarmamento (Lei nº 10.826/03, alterado pelas Leis nº 10.867/04 e nº 10.884/04 e Dec. Nº 5.123/04). Lei “Maria da Penha” ( Lei nº 11.340/2006). Lei Antidrogas (Lei nº 11.343/2006).

BIBLIOGRAFIA:
BITENCOURT, Cezar Roberto. Tratado de Direito Penal. Vol. 1 a 5, Editora Saraiva. 15ª ed. 2010, São Paulo.
CAPEZ, Fernando. Curso de Direito Penal. Vol. 1 a 4, Editora Saraiva. 14ª ed. 2010, São Paulo.
NUCCI, Guilherme de Souza. Manual de Direito Penal. Editora Revista dos Tribunais. 6ª ed. 2009, São Paulo.
PRADO, Luiz Regis. Curso de Direito Penal Brasileiro. Editora Revista dos Tribunais. 9ª ed. 2010, São Paulo.
VADE MECUM JURÍDICO, Editora Revista dos Tribunais, 9ª edição, ano 2010, São Paulo (Coletânea de Legislação).
ZAFFARONI, Raúl Eugênio, PIERANGELI, José Henrique. Manual de Direto Penal. Editora Revista dos Tribunais. 8ª ed., 2009, São Paulo.

DIREITO PROCESSUAL PENAL
Princípios constitucionais do Direito Processual Penal.
Inquérito policial. Ação penal. Prova. Prisão em flagrante. Prisão preventiva. Prisão temporária ( Lei nº 7.960/1989). Processos dos crimes de responsabilidade dos funcionários públicos. Habeas corpus. Lei nº 9.099/1995. Interceptação telefônica (Lei nº 9.296/1996). Lei nº 12.037/09. Lei nº 10.258/2001. Lei nº 10.259/2001. Processo e julgamento dos crimes contra a violência doméstica e familiar (Lei nº 11.340/06). Lei nº 11.449/2007.

BIBLIOGRAFIA:
CAPEZ, Fernando. Curso de Processo Penal. Editora Saraiva. 17ª ed. 2010, São Paulo.
NUCCI, Guilherme de Souza. Manual de Processo Penal e Execução Penal. Editora Revista dos Tribunais. 6ª ed. 2010, São Paulo.
RANGEL, Paulo. Direito Processual Penal. Editora Lúmen Juris.17ª ed. 2010, Rio de Janeiro.
TOURINHO FILHO, Fernando da Costa. Processo Penal. Vol. 1 a 4.Editora Saraiva.32ª ed. 2010, São Paulo.
TOURINHO FILHO, Fernando da Costa. Manual de Processo Penal. Editora Saraiva. 13ª ed. 2010, São Paulo.
VADE MECUM JURÍDICO, Editora Revista dos Tribunais, 9ª edição, ano 2010, São Paulo (Coletânea de Legislação).

DIREITO CONSTITUCIONAL
Direitos e Garantias Fundamentais. Remédios constitucionais. Princípios constitucionais. Poder Executivo. Poder Legislativo. Poder Judiciário. Segurança Pública na Constituição Federal. Funções essenciais à Justiça. Nacionalidade: modos de aquisição; condição jurídica do brasileiro nato; condição jurídica do brasileiro naturalizado; perda da nacionalidade; condição jurídica do estrangeiro no Brasil; direitos políticos; Segurança Pública: Organização da segurança pública. A propriedade na ordem econômica: a propriedade urbana e rural. Cultura. Proteção à Família; criança; adolescente e idoso. Os índios na Constituição Federal.

BIBLIOGRAFIA:
LENZA, Pedro. Direito Constitucional Esquematizado. 13 ed. São Paulo: Saraiva, 2009.
MORAES, Alexandre de. Direito Constitucional. 23 ed. São Paulo: Atlas, 2008.
CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988: Título I (artigos 1 a 4); Título II (artigos 5 a 17); Título IV (artigos 44 a 135) Título V (artigos 136 a 144) Título VII (artigos 170 a 192) e Título VIII (artigos 193 a 232).

DIREITO ADMINISTRATIVO
Administração Pública. Atos administrativos. Serviços Públicos. Servidores Públicos (Lei Complementar nº 10.098/94 – Estatuto e Regime Jurídico Único dos Servidores Públicos Civis do Estado do Rio Grande do Sul – Titulo II – do provimento, promoção, vacância, remoção e redistribuição – Título III – dos direitos e vantagens. Lei nº 7.366/80 (Estatuto dos Servidores da Polícia Civil). Organização básica da Polícia Civil. Lei nº 10.994/1997. Controle da Administração Pública (Controle administrativo; controle legislativo; controle judicial; habeas corpus; mandado de segurança individual; mandado de segurança coletivo; ação popular).

BIBLIOGRAFIA:
DI PIETRO, Maria Sylvia Zanella. Direito Administrativo, 23ª edição, São Paulo, Atlas Editora, 2010.
CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988:
– Capítulo I do Título II
– Seções I e II do Capítulo VII do Título III
LEI FEDERAL Nº 12.016/09 (Mandado de Segurança)
LEI FEDERAL Nº 4.717/65 (Ação Popular)
LEI COMPLEMENTAR Nº 10.098/94 (Estatuto e Regime Jurídico Único dos Servidores Públicos Civis do Estado do Rio Grande do Sul):
– Títulos II e III
LEI ESTADUAL Nº 7.366/80 (Estatuto dos Servidores da Polícia Civil)
LEI ESTADUAL Nº 10.994/97 (Organização Básica da Polícia Civil)

DIREITOS HUMANOS
DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS, Proclamada pela Resolução nº 217A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas, de 10 de dezembro de 1948.
CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL – 1998. Cap. I – Dos Direitos e Deveres Individuais e Coletivos (Art. 5º).

INFORMÁTICA
Microinformática: conceito de hardware e software; componentes básicos de hardware (processadores, memórias, barramentos, dispositivos de armazenamento, dispositivos de entrada e saída, placas e arquiteturas); categorias e tipos de softwares.
Windows XP: uso do ambiente gráfico (janelas, menus e atalhos); painel de controle (configuração do ambiente Windows); área de trabalho; área de transferência; aplicativos e acessórios; windows explorer; meu computador; conceitos, criação, manipulação e propriedades de pastas, arquivos e atalhos; backup e compactação de arquivos.
Internet: conceitos básicos, serviços e segurança; buscadores, utilização do Internet Explorer 8 e correio eletrônico (Outlook Express).
BrOffice Writer 3.2: teclas de atalho, barras de ferramentas e menus; edição (inserção, exclusão e seleção) e formatação de caractere, parágrafo e página; tabelas; localização e substituição de texto; marcadores e numeração; colunas; notas de rodapé; seções; índices; impressão e ferramentas.
BrOffice Calc 3.2: teclas de atalho, barras de ferramentas e menus; edição (inserção, exclusão e seleção) e formatação de células, linhas, colunas, planilhas e páginas; cabeçalhos e rodapés; gráficos; funções, fórmulas e expressões matemáticas; referências absolutas e relativas; impressão e ferramentas.

BIBLIOGRAFIA:
CAIÇARA JÚNIOR, Cícero e Paris, Wanderson Stael. Informática, Internet e Aplicativos. Ibep. 2007.
COSTA, Edgard Alves. BrOffice.org: da teoria à prática. Brasport, 2007.
MORIMOTO, Carlos E. Hardware, o Guia Definitivo. GDH Press e Sul Editores. 2007
OGLETREE, Terry W. Dominando Microsoft Windows XP. Makron Books, 2002.
Menu Ajuda do Microsoft Windows XP (ajuda integrada ao Windows XP)
Menu Ajuda do BrOffice (ajuda integrada aos softwares)
Menu Ajuda do Internet Explorer 8.0 (ajuda integrada ao software)
Menu Ajuda do Outlook Express (ajuda integrada ao software)

CONHECIMENTOS GERAIS
Aspectos políticos; históricos; geográficos; culturais e econômicos do Estado do Rio Grande do Sul e do Brasil.

BIBLIOGRAFIA:
BAUMAN Zygmunt. GLOBALIZAÇÃO As Consequências Humanas. Rio de Janeiro: Jorge Zahar ED.,1999.
OLIVEN, Ruben. A parte e o todo: a diversidade cultural no Brasil-nação. 2ª ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2006.
PESAVENTO, Sandra. História do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1980.
SANTOS, Milton e SILVEIRA, María Laura. O Brasil: Território e Sociedade no Início do Século XXI. 6ª Ed. RJ:Record, 2004.
VERDUM, Roberto, BASSO Alberto e SUERTEGARAY, Dirce. (orgs) Rio Grande do Sul: Paisagens e Territórios em Transformação. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2004.

FDRH recebe 81.728 inscrições para concurso do Magistério

O Concurso do Magistério registrou na última quarta-feira (13.3), 81.728 inscrições. Os candidatos que se inscreveram têm impreterivelmente até esta quinta-feira (14.3) para efetuar o pagamento da taxa de inscrição.  O valor de inscrição é de R$ 129,70 (nível superior) e R$ 56,87 (nível médio) e o pagamento da taxa deverá ser feito por meio de boleto bancário. O número de inscrições homologadas deverá ser divulgado nos próximos dias.

Realizado pelo Governo do Estado, o concurso oferece dez mil vagas em todo o Estado. O prazo de validade do concurso público é de dois anos, prorrogável por igual período. Este é o segundo concurso para professores realizado pela Seduc nesta gestão. As provas serão realizadas nos municípios-sede das Coordenadorias Regionais de Educação (CREs), em data a ser informada com antecedência mínima de dez dias, conforme expresso no Edital.

Atendendo à legislação, há vagas para cotistas. Dez por cento são vagas destinadas a candidatos com deficiência e 16% para negros. As provas serão por área de conhecimento e habilitação para os candidatos da Educação Básica e por área de conhecimento e eixo tecnológico para os candidatos da Educação Profissional.

Provas 
O concurso terá duas provas, a objetiva, eliminatória e com 80% de peso na nota final, e a de títulos, classificatória. As provas objetivas serão compostas por dois módulos, com conteúdo específico, dependendo do cargo escolhido. Para aprovação no Concurso, o candidato deverá alcançar o percentual mínimo de 60% do total das questões de cada um dos módulos que compõem a prova objetiva, conforme previsto no Anexo 8 do Edital. O candidato que não alcançar o percentual será eliminado automaticamente.

  • Módulo I (Língua Portuguesa, Legislação e Conhecimentos Pedagógicos);
  • Módulo II (Área de Conhecimentos e Habilidades).

Veja:

Com informações da SEDUC-RS.

FDRH-RS publica retificações no Edital do Magistério Estadual RS 2013

A FDRH-RS publicou retificação no Edital do concurso do Magistério Estadual RS 2013.
Vejam os documentos consolidados.

Titulo: Edital Nº 02/2013 – Retificação do Edital Nº01/2013
Titulo: 
Anexo 1 RetificadoTitulo: Anexo 2 Retificado
Titulo: 
Anexo 8 Retificado
Titulo: 
Anexo 10 Retificado
Titulo: 
Anexo 12 Retificado

SEDUC-RS lança edital para seleção de alfabetizadores de jovens e adultos

Foi publicado no Diário Oficial do Estado do dia 21 de janeiro o Edital 01/2013 da Secretaria de Estado da Educação (Seduc) para seleção de candidatos às vagas oferecidas pelo Programa Brasil Alfabetizado (PBA) na rede estadual de ensino. O trabalho prevê atuação em sala de aula pelo período de oito meses. Há vagas para as 30 Coordenadorias Regionais de Educação (CREs).

As inscrições devem ser feitas nas sedes das CREs, às segundas, terças, quintas e sextas-feiras, das 9h às 11h30 e das 14h às 17h, até 20 de fevereiro. Os candidatos selecionados receberão bolsa auxílio que varia entre R$ 400 e R$ 750 mensais, dependendo do posto (alfabetizador, tradutor intérprete de LIBRAS ou coordenador de turmas) e da quantidade de turmas atendidas.

Os requisitos mínimos para inscrição variam de acordo com o cargo pretendido. Todos os selecionados participarão de curso de formação inicial, com carga horária de 40h de duração, e de formação continuada, com 64h, desenvolvida ao longo dos meses de atuação no PBA. As datas, horário e local da formação serão divulgados por cada CRE.

>>>> Acesse a íntegra do Edital nº 01/2013 clicando aqui <<<<<

 

Programa BRASIL ALFABETIZADO

O  MEC realiza, desde 2003, o Programa Brasil Alfabetizado (PBA), voltado para a alfabetização de jovens, adultos e idosos. O programa é uma porta de acesso à cidadania  e o despertar do interesse pela elevação da escolaridade. O Brasil Alfabetizado  é desenvolvido em todo o território nacional, com o atendimento prioritário a 1.928 municípios  que apresentam taxa de analfabetismo igual ou superior a 25%. Desse total,  90%  localizam-se na região Nordeste. Esses municípios recebem apoio técnico na implementação das ações do programa, visando garantir a continuidade dos estudos aos alfabetizandos. Podem aderir ao programa, por meio das resoluções específicas publicadas no Diário Oficial da União, estados, municípios e o Distrito Federal. Saiba mais

Com informações da SEDUC-RS e do site do MEC.

SEDUC-RS publica Edital com orientações para os classificados no concurso do Magistério 2012 em última chamada

educa-rs

EDITAL DE CONCURSO Nº 34 /2013

ORIENTAÇÕES PARA OS CLASSIFICADOS EM ÚLTIMA CHAMADA

O Secretário de Estado da Educação, no uso de suas atribuições, torna público às orientações aos candidatos aprovados no Concurso do Magistério, classificados que solicitaram última chamada nos grupos de nomeações anteriormente publicados e conforme lista divulgada no site http://www.educacao.rs.gov.br.

1. Os candidatos receberão uma correspondência oficial da Secretaria da Educação no endereço cadastrado no momento da inscrição no Concurso, contendo as orientações e providências necessárias para a nomeação e posse.
2. Cada candidato deverá apresentar-se no local, data e hora divulgada, portando os documentos necessários e relativos a cada uma das etapas.
3. Os candidatos deverão providenciar os exames médicos relacionados abaixo:
a) Hemograma (VALIDADE DO EXAME 30 DIAS)
b) Creatinina (VALIDADE DO EXAME 30 DIAS)
c) Glicose (VALIDADE DO EXAME 30 DIAS)
d) EQU (VALIDADE DO EXAME 30 DIAS)
e) Audiometria Tonal (VALIDADE DO EXAME 180 DIAS)
3.1 Para quem tem 45 anos ou mais são solicitados, além dos exames acima, os abaixo relacionados:
a) Laudo Ortopédico (VALIDADE DO EXAME 180 DIAS)
b) Eletrocardiograma (VALIDADE DO EXAME 180 DIAS)
c) Laudo Oftalmológico (VALIDADE DO EXAME 180 DIAS)
3.2 Os exames médicos, o questionário de saúde e o formulário de ingresso no DMEST serão apresentados no DMEST – Departamento de Medicina e Segurança do Trabalho, situado à Av. Borges de Medeiro 1501, CAFF em Porto Alegre, no dia e hora determinada pela Administração Pública e divulgada no site da Educação (www.educacao.rs.gov.br), conforme cronograma com sua respectiva classificação previsto entre os dias 04 a 08, 14 e 15 de fevereiro de 2013, mesmo que já o tenham realizados em grupos anteriores.
4. Cada candidato deverá cumprir rigorosamente o cronograma estabelecido para realização dos exames médicos bem como o da posse, conforme indicação de sua classificação.
5. Para a Posse:
5.1. Os candidatos deverão preencher os formulários relativos ao ingresso no Serviço Público Estadual, disponível no site da educação: http://www.educacao.rs.gov.br, escolhendo uma das opções abaixo:
5.1.1 Preenchimento dos formulários diretamente no link disponível no site da educação, imprimindo-o em uma página (uma folha com toda a impressão dos campos) para entrega no ato de posse ou
5.1.2 Preenchimento manual dos documentos, após fazer o download do formulário em uma página (uma folha com toda a impressão dos campos) no seu computador, completando todos os campos em letra legível (letra de forma), para entrega no ato de posse.
6. Providenciar os documentos com as respectivas cópias constantes no item 12.5 do Edital 01/2011, que são:
a) Certificado de regularidade de situação militar, se do sexo masculino – (original e cópia);
b) Carteira de Identidade – (original e cópia);
c) Certidão de Casamento/Divórcio (original e cópia);
d) Documento oficial que contenha o CPF – (original e cópia);
e) Nº do PIS/PASEP (se cadastrado) – (original e cópia);
f) Carteira de Trabalho – cópia da 1ª página e da página dos registros de emprego/função pública – (original e cópia); (cópia da 1ª página e da página do registro do primeiro emprego).
g) Título de Eleitor e comprovante de regularidade da situação eleitoral – disponível no site da justiça eleitoral (www.tre-rs.gov.br) (original e cópia);
h) Comprovante de escolaridade – (original e cópia); (comprovação mediante apresentação do diploma ou certificado de conclusão (somente para 2012));
i) Laudo Médico Pericial para ingresso no serviço público fornecido pelo
DMEST/SARH, na ocasião da Perícia Médica;
j) Alvará de Folha Corrida expedido pelo Poder Judiciário – disponível no site do Poder Judiciário Estadual ( http://www.tjrs.jus.br) (original);
k) Comprovante de residência – (original e cópia);
l) Comprovante de exoneração de cargo público ou protocolo de pedido, no caso de acúmulo de cargo/função pública vedado pela Constituição Federal (Art.37, Inciso XVI) – (original e cópia).
m) Declaração expedida por órgão empregador municipal, estadual ou federal contendo o nome do cargo ou função, carga horária e data de admissão, se exercer cargo ou função pública (original).
6.1 O candidato deverá providenciar a documentação e sua cópia relacionada, acima, juntamente com os formulários impressos (item 5 ) para serem apresentados na data da posse, prevista no cronograma determinado pela Administração disponível no site da Educação http://www.educacao.rs.gov.br.
7. O candidato deverá providenciar a abertura de conta bancária no Banrisul, devendo trazer o número da conta e da agência no dia agendado para POSSE. Caso não tenha a conta, deverá saber informar o número da Agência/BANRISUL mais próxima, pois será feito um pré-cadastro.
8. No momento da posse para efeito da distribuição de vagas nas Coordenadorias Regionais de Educação- CRE serão utilizados os seguintes critérios, conforme a necessidade da Administração, abaixo relacionados:
1. Sala de aula sem professor – Necessidade imediata
2. Sala de aula atendida por professor contratado sem habilitação (curso incompleto), iniciando a substituição pelo contratado mais antigo que ainda não concluiu seus estudos.
3. Sala de aula atendida por um professor contratado fora da sua área de habilitação (contratado de matemática dando aula de química), observando a antiguidade no cargo para efetuar a substituição.
4. Sala de aula atendida por professor contratado dentro da sua área e habilitação, observando a antiguidade no cargo para efetuar a substituição.
4.1 O nomeado que já atuar como professor contratado poderá optar por permanecer na vaga que ocupa, respeitando a classificação no concurso.

Porto Alegre, 17 de janeiro de 2013.

Jose Clovis de Azevedo
Secretário de Estado da Educação.
Registre-se e publique-se,
Diretor(a) do Departamento Administrativo/SE.

>>>>>> Veja o original publicado hoje (18.01.2012) no DOE-RS. <<<<<<