Juremir Machado: “Ser ou não ser Charlie, eis a questão”

A man holds a placard which reads "I am Charlie" to pay tribute during a gathering at the Place de la Republique in Paris

* Juremir Machado

Tem quem se sinta orgulhoso de ser Charlie e quem se sinta envergonhado.

Parte da esquerda brasileira acha que a culpa é do Ocidente mesmo. Por extensão, das vítimas.

Os iluministas, com Voltaire à frente, lutaram contra a intolerância religiosa e pelo direito de blasfemar (outro nome para criticar). A tolerância ganhou o primeiro tempo do jogo. Aí veio uma nova forma de intolerância: a incapacidade de aceitar a diferença. Depois das era da intolerância e da tolerância, precisamos entrar na era do respeito.

O problema é, em nome do respeito ao diferente, tornar-se refém de intolerantes.

O filósofo marxista Slavoj Zizek botou os pingos nos is: a culpa pelos atentados de Paris é dos que os cometeram. Não tem mais nem menos. Ah, mas os muçulmanos são discriminados! Zizek não vai nessa conversa: “Muçulmanos são de fato uma minoria explorada e escassamente tolerada (OK, mas negros afrodescendentes são tudo isso e mais e no entanto não praticam atentados a bomba ou chacinas)”. Daí a conclusão de Zizek, autor pop das esquerdas hipermodernas: “Quanto mais os esquerdistas liberais ocidentais mergulham em seu sentimento de culpa, mais são acusados por fundamentalistas muçulmanos de serem hipócritas tentando ocultar seu ódio ao Islã. Esta constelação perfeitamente reproduz o paradoxo do superego: quanto mais você obedece o que o outro exige de você, mais culpa sentirá”. E mais o outro ditará as regras que o obrigarão a ser como ele impõe.

zizek

Em outras palavras, o Ocidente não pode cair nessa cilada ardilosa.

Zizek é cheio de sutilezas retóricas: “O problema com fundamentalistas não é que consideramos eles inferiores a nós, mas sim que eles próprios secretamente se consideram inferiores. É por isso que nossas reafirmações politicamente corretas condescendentes de que não sentimos superioridade alguma perante a eles só os fazem mais furiosos, alimentando seu ressentimento”. Em linguagem de gente: eles querem aparecer, impor seus dogmas e transformar nossos pontos fortes – a pluralidade, a democracia, o relativismo – em debilidades. Surgem, contudo, contradições. Os defensores do politicamente incorreto, situados, em geral, à direita, não perdem a coerência: todo humor é possível, contra negros, gays, religiões e o que vier. Os defensores do politicamente correto obrigam-se a dizer o contrário: tudo o que ofende e humilha é inaceitável. Cisão na esquerda. Ruptura nas forças “progressistas”?

Vale lembrar que Charlie Hebdo é jornal de esquerdistas.

Um terceiro time tenta o caminho do meio. Rejeita humor com discriminação racial e sexual, mas não vê problemas em caricaturas de Maomé e de outros ícones religiosos. Racismo e homofobia, não. Blasfêmia, sim. Filosoficamente falando, qual a diferença? Dominação e ideologia. No Brasil, racismo é crime. Homofobia e blasfêmia, não. Curiosamente há muito humor racista e homofóbico e pouca blasfêmia. Os jornais americanos evitaram reproduzir as charges de Charlie Hebdo. Na Austrália, não se pode publicar aquilo que tem teor discriminatório.

Quem vai ditar as regras: Charlie, Alcaida ou o bom senso relativista?

Um pouco de luz: a liberdade de culto precisa aprender a conviver com a de crítica.

A esquerda multiculturalista não pode ser iluminista?

O multiculturalismo é uma solução razoável: cada um respeita o outro e ninguém zomba de ninguém.

O que fazer com os racionalistas iluministas que desejam combater todas as religiões?

Para um neoiluminista, inimigo do multiculturalismo, a intolerância foi expulsa pela porta da frente e voltou pela janela: a sua nova forma de legitimação seria o respeito a todas as diferenças, mesmo às que não respeitam diferenças e querem se afirmar como verdade absoluta, revelada e dogmática com interferência sobre a vida cotidiana. Se todo mundo pode crer no que quiser e eu não posso rir de qualquer crença, o crente tem dois direitos e eu nenhum?

Todas as contradições vieram à tona.

A solução iluminista era mais ou menos assim: você tem direito de crer, eu tenho direito de rir da sua crença, podemos discutir sobre isso, tentar, se for o caso, resolver nossas diferenças na justiça ou ficar cada um no seu canto.

Novas mentalidades surgiram. Esse “pacto” não funciona mais. Quem tem poder, faz leis que o protejam do humor.

Ser ou não ser Charile, eis a questão que gera mais dúvidas do que respostas.

________________________________________

juremir-machadoJuremir Machado da Silva, nascido em 29 de janeiro de 1962, em Santana do Livramento, graduou-se em História (bacharelado e licenciatura) e em Jornalismo pela PUCRS, onde também fez Especialização em Estilos Jornalísticos. Passou pela Faculdade de Direito da UFRGS, onde também chegou a cursar os créditos do mestrado em Antropologia. Obteve o Diploma de Estudos Aprofundados e o Doutorado em Sociologia na Universidade Paris V, Sorbonne, onde também fez pós-doutorado. Como jornalista, foi correspodente internacional de Zero Hora em Paris, trabalhou na IstoÉ e colaborou com a Folha de S. Paulo. Atua como colunista do Correio do Povo desde o ano 2000. Tem 27 livros individuais publicados, entre os quais Getúlio, 1930, águas da revolução, Solo, Vozes da Legalidade e História regional da infâmia, o destino dos negros farrapos e outras iniquidades brasileiras. Coordena o Programa de Pós-Graduação em Comunicação da PUCRS. Apresenta diariamente, ao lado de Taline Oppitz, o programa Esfera Pública, das 13 às 14 horas, na Rádio Guaíba.

PODEMOS?!? Boaventura de Sousa Santos analisa o “partido-movimento”.

podemos-espanha

Partido-movimento sugere resgatar democracia sequestrada e pode impulsionar iniciativas semelhantes em todo o mundo – desde que não seja visto como solução mágica.

Por Boaventura de Sousa Santos*
Outras Palavras

Os países do Sul da Europa são social e politicamente muito diferentes, mas estão sofrendo o impacto da mesma política equivocada imposta pela Europa Central e do Norte, via União Europeia (UE), com resultados desiguais mas convergentes. Trata-se, em geral, de congelar a posição periférica destes países no continente, sujeitando-os a um endividamento injusto na sua desproporção, provocando ativamente a incapacitação do Estado e dos serviços públicos, causando o empobrecimento abrupto das classes médias, privando-os dos jovens e do investimento na educação e na pesquisa, sem os quais não é possível sair do estatuto periférico. Espanha, Grécia e Portugal são tragédias paradigmáticas.

Apesar de todas as sondagens revelarem um alto nível de insatisfação e até revolta perante este estado de coisas (muitas vezes expressadas nas ruas e nas praças), a resposta política tem sido difícil de formular. Os partidos de esquerda tradicionais não oferecem soluções: os partidos comunistas propõem a saída da UE, mas os riscos que tal saída envolve afasta as maiorias; os partidos socialistas desacreditaram-se, em maior ou menor grau, por terem sido executores da política de austeridade. Criou-se um vazio que só lentamente se vai preenchendo. Na Grécia, Syriza, nascido como frente em 2004, reinventou-se como partido em 2012 para responder à crise, e preencheu o vazio. Pode ganhar as próximas eleições. Em Portugal, o Bloco de Esquerda (BE), nascido quatro anos antes do Syriza, não soube reinventar-se para responder à crise, e o vazio permanece. Na Espanha, o novo partido Podemos constitui a maior inovação política na Europa desde o fim da Guerra Fria e, ao contrário do Syriza e do BE, nele não são visíveis traços da Guerra Fria.

Para entender Podemos, é preciso recuar ao Fórum Social Mundial, aos governos progressistas que emergiram na América Latina na década de 2000, aos movimentos sociais e aos processos constituintes que levaram esses governos ao poder, às experiências de democracia participativa, sobretudo em nível local, em muitas cidades latino-americanas a partir da experiência pioneira de Porto Alegre e, finalmente, à Primavera Árabe. Em suma, Podemos é o resultado de uma aprendizagem a partir do Sul que permitiu canalizar criativamente a indignação nas ruas de Espanha. É um partido de tipo novo, um partido-movimento, ou melhor, um movimento-partido assente nas seguintes ideias: as pessoas não estão fartas da política, mas sim desta política; a esmagadora maioria dos cidadãos não se mobiliza politicamente nem sai à rua para se manifestar, mas está cheia de raiva em casa e simpatiza com quem se manifesta; o ativismo político é importante, mas a política tem de ser feita com a participação dos cidadãos; ser membro da classe política é algo sempre transitório e tal qualidade não permite que se ganhe mais que o salário médio do país; a internet permite formas de interação que não existiam antes; os membros eleitos para os parlamentos não inventam temas ou posições, veiculam os que provêm das discussões nas estruturas de base; a política partidária tem de ter rostos, mas não é feita de rostos; a transparência e a prestação de contas têm de ser totais; o partido é um serviço dos cidadãos para os cidadãos e por isso deve ser financiado por estes e não por empresas interessadas em capturar o Estado e esvaziar a democracia; ser de esquerda é um ponto de chegada e não um ponto de partida e, portanto, prova-se nos fatos. Exemplo: quem na Europa é a favor da Parceria Transatlântica para o Investimento e Comércio não é de esquerda, mesmo que militante de um partido de esquerda. Este tratado visa os mesmos objetivos que a Área de Livre Comércio das Américas, vulgo ALCA, proposta por Bill Clinton em 1994 e engavetada em 2005, em resultado do vigoroso movimento de protesto popular que mobilizou as forças progressistas de todo o continente.

Em suma, o código genético do Podemos reside em aplicar à vida interna dos partidos a mesma ideia de complementaridade entre democracia participativa e democracia representativa que deve orientar a gestão do sistema político em geral. Convém salientar que Podemos é uma versão particularmente feliz e potencialmente mais eficaz de inovações políticas que têm surgido em diferentes partes do mundo, tendo por pano de fundo o inconformismo perante o esvaziamento da democracia representativa provocado pela corrupção e pela captura dos partidos de governo pelo capital. Na Itália, surgiu em 2009 o Movimento Cinco Estrelas, liderado por Beppe Grillo, com fortes críticas aos partidos políticos e defendendo práticas de democracia participativa. Teve um êxito eleitoral fulgurante, mas as suas posições radicais contra a política criam grande perplexidade quanto ao tipo de renovação política que propõe. Em 2012, foi criado na Índia o Partido Aam Admi (partido do homem comum, conhecido pela sigla em inglês AAP). Este partido, de inspiração gandhiana e centrado na luta contra a corrupção e na democracia participativa, toma como impulso originário o fato de o homem comum (e a mulher comum, como acrescentaram as mulheres que se filiaram ao partido) não ser ouvido nem levado em conta pelos políticos instalados. Um ano depois da sua fundação tornou-se o segundo partido mais votado para a assembleia legislativa de Delhi.

É possível uma onda Podemos que se alastre a outros países? As condições variam muito de país para país. Por outro lado, Podemos não é uma receita, é uma orientação política geral no sentido de aproximar a política dos cidadãos e de mostrar que tal aproximação nunca será possível se a atividade política circunscrever-se a votar de quatro em quatro anos em políticos que se apropriam dos mandatos e os usam para fins próprios.

Curiosamente, na Inglaterra acaba de ser criado um partido, Left Unity, diretamente inspirado pelas ideias que subjazem ao Syriza e ao Podemos. Em Portugal, a onda Podemos é bem necessária, dado o vazio a que me referi acima. Portugal não tem a mesma tradição de ativismo que a Espanha. Em Portugal, Podemos será um partido diferente e, neste momento, terá pouca repercussão. Portugal vive o momento Costa. Em face dos fracos resultados do Partido Socialista (PS) nas últimas eleições para o Parlamento Europeu, António Costa, prefeito da cidade de Lisboa, disputou com êxito a liderança da secretaria-geral do partido, eleita no último congresso. A disputa tomou a forma de eleições primárias abertas a militantes e simpatizantes do partido. As eleições tiveram muita participação e mostraram o que disse atrás: a distância dos cidadãos é só em relação à política de costume, sem horizonte de mudança em face de uma situação socioeconômica intolerável e injusta. O momento Costa faz com que a onda Podemos em Portugal se destine sobretudo a preparar o futuro: para colaborar com o PS, caso este esteja interessado numa política de esquerda; ou para ser uma alternativa, caso o PS se descredibilize, o que fatalmente ocorrerá se ele aliar-se à direita. Por agora, a segunda alternativa é a mais provável.

Será possível que a onda Podemos chegue à América Latina, como que devolvendo ao continente a inspiração que recebeu deste e da sua brilhante primeira década do século XXI? Certamente seria importante que isso ocorresse nos dois grandes países governados por forças conservadoras, México e Colômbia. Neste países, os esforços para formular e dar credibilidade a uma nova política de esquerda não conseguiram até agora furar o bloqueio da política oligárquica tradicional. No caso do México, há que referir tentativas tão diversas quanto La Otra Campaña, por iniciativa do Exército Zapatista de Libertação Nacional, ou o movimento político aglutinado em redor de López Obrador, e, no caso da Colômbia, o Polo Democrático e todas as vicissitudes por que passou até hoje (polo democrático independente, polo democrático alternativo).

Nos países onde as forças progressistas conseguiram grandes vitórias na primeira década do século XXI e onde os partidos de governo foram, eles próprios, emanação de lutas populares recentes, poderá pensar-se que a onda Podemos teve aqui a sua fonte e por isso nada de novo pode fazer acontecer. Refiro-me ao Partidos dos Trabalhadores (PT) no Brasil, ao Movimiento al Socialismo (MAS) na Bolívia, à Alianza Pais no Equador e ao Partido Socialista Unido (PSUV) na Venezuela.

Trata-se de realidades políticas muito distintas, mas parecem ter duas características em comum: procuraram dar voz política às classes populares em grande medida oprimidas pelas classes dominantes, ainda que concebam as classes populares, não como coletivos, mas antes como grupos de indivíduos pobres; tiveram êxito político e o exercício do poder de governo pode estar a descaracterizar a marca de origem (seja por via do caudilhismo, da corrupção, ou da rendição aos imperativos do desenvolvimento neoliberal etc). O desgaste político é maior nuns do que noutros, apesar das vitórias recentes, algumas delas retumbantes (caso do MAS nas eleições de 2014). Nestes países, tal como, de resto, nos dois outros países com governos de centro-esquerda assentes em partidos mais antigos, a Argentina e o Chile, a onda Podemos, se vier a ter alguma relevância, tenderá a assumir duas formas: reformas profundas no interior destes partidos (mais urgentemente reclamadas no PT do que nos outros partidos); criação de novos partidos-movimento animados pela mesma dinâmica interna de democracia participativa na formulação das políticas e na escolha dos líderes.

Como o caso do indiano AAP mostra, o impulso político que subjaz ao Podemos não é um fenômeno da Europa do Sul/América Latina. Pode aparecer sob outras formas noutros continentes e contextos. Um pouco por toda a parte, 25 anos depois da queda do Muro de Berlim, os cidadãos e as cidadãs que acreditaram na promessa da democracia, anunciada ao mundo como o fim da história, estão chegando à conclusão de que a democracia representativa liberal atingiu o seu grau zero, minada por dentro por forças antidemocráticas, velhas e novas oligarquias com poder econômico para capturar o sistema político e o Estado e os colocar a serviço dos seus interesses. Nunca como hoje se tornou tão evidente que vivemos em sociedades politicamente democráticas mas socialmente fascistas. A onda Podemos é uma metáfora para todas as iniciativas que tentam uma solução política progressista para o pântano em que nos encontramos, uma solução que não passe por rupturas políticas abruptas e potencialmente violentas.

Os EUA são neste momento um dos países do mundo onde o grau-zero da democracia é mais evidente. E certamente o país do mundo onde a retórica da governança democrática é mais grosseiramente desmentida pela realidade política plutocrática e cleptocrática. Depois que o Tribunal Supremo permitiu que as empresas financiassem os partidos e as campanhas como qualquer cidadão, e, portanto, anonimamente, a democracia recebeu o seu golpe final. As agendas das grandes empresas passaram a controlar totalmente a agenda política: da mercantilização total da vida ao fim dos poucos serviços públicos de qualidade; da eliminação da proteção do meio ambiente e dos consumidores à neutralização da oposição sindical; da transformação da universidade num espaço de aluguel para serviços empresariais à conversão dos professores em trabalhadores precários e dos estudantes em consumidores endividados para toda a vida; da submissão, nunca como hoje tão estrita, da política externa aos interesses do capital financeiro global à incessante promoção da guerra para alimentar o complexo industrial-securitário-militar. Em face disso, não surpreende que muitos dos norte-americanos inconformados com o status quo tenham começado a ler ou a reler Marx e Lênin.

Encontram nestes autores a explicação convincente do estado de coisas a que chegou a sociedade norte-americana. Não os seguem na busca de alternativas, de ideias para refundar a política democrática do país, pois conhecem os catastróficos resultados políticos da prática leninista (e trotskista, convém não esquecer).

Surpreendentemente, combinam essas leituras com a da Democracia na América de Alexis de Tocqueville e a sua apologia da democracia participativa e comunitária nos EUA das primeiras décadas do século XIX. É aí que vão buscar a inspiração para a refundação da democracia nos EUA, a partir da complementaridade intrínseca entre democracia representativa e democracia participativa. Sem o saberem, são portadores da energia política vital que a onda Podemos transporta.

__________________
bss_mais_peq2*Boaventura de Sousa Santos é Professor Catedrático Jubilado da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra e Distinguished Legal Scholar da Faculdade de Direito da Universidade de Wisconsin-Madison e Global Legal Scholar da Universidade de Warwick. É igualmente Director do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra; Coordenador Científico do Observatório Permanente da Justiça Portuguesa.

Dirige actualmente o projecto de investigação ALICE – Espelhos estranhos, lições imprevistas: definindo para a Europa um novo modo de partilhar as experiências o mundo, um projeto financiado pelo Conselho Europeu de Investigação (ERC), um dos mais prestigiados e competitivos financiamentos internacionais para a investigação científica de excelência em espaço europeu.
Veja a entrevista introdutória sobre o projeto ALICE

É co-coordenador científico dos Programas de Doutoramento:
Human Rights in Contemporary Societies
Democracia no Século XXI
Pós-Colonialismos e Cidadania Global

Foi também co-fundador do programa de doutoramento Direito, Justiça e Cidadania no Século XXI

Tem trabalhos publicados sobre globalização, sociologia do direito, epistemologia, democracia e direitos humanos. Os seus trabalhos encontram-se traduzidos em espanhol, inglês, italiano, francês, alemão e chinês.

Professor brasileiro de História reproduz Segunda Guerra Mundial no Facebook

E se o conflito da Segunda Guerra Mundial não passasse de mais um “barraco” no Facebook? Como a Alemanha, por exemplo, discutiria com a União Soviética e chamaria o Reino Unido para a briga?

“Sarre, Renânia, Áustria e Tchecoslováquia tamo junto na parada. É nois!!! III Reich comanda!!! Hehehehehe…”, comenta o perfil da Alemanha em sua timeline em 1939, no que é curtida pela Itália facista. Logo abaixo no post alemão, o Reino Unido comenta:

“Se liga aí, porque a potência maioral da Europa sou eu. Tô de olho nessa onda de vocês, mas se vocês pensam que vou me estressar estão muito enganados! Tô de boa aqui!”

É desse modo, usando gírias bem cariocas, que o professor de História Paulo Alexandre Filho começa a contar os capítulos da Segunda Guerra como se eles fossem posts publicados no Facebook. Docente da rede estadual de educação de Pernambuco, Paulo simplesmente recriou passo a passo todos os episódios do confronto, desde 1939, quando a Alemanha começa sua política expansionista na Europa, até 1945, quando os Estados Unidos lançam duas bombas nucleares sobre o Japão e encerram a maior guerra da História.

Veja aqui passo a passo o desenrolar da Segunda Guerra Mundial no Facebook.

Hist-1Hist-2Hist-3Hist-4Hist-5Hist-6Hist-7Hist-8Hist-9Hist-10Hist-11Hist-12Hist-13

Para o Pacto Nazi-Soviético de 1939, por exemplo, Paulo simula a situação onde a Alemanha publica no mural da União Soviética a seguinte pergunta: “Que tal dividirmos a Polônia?”. Os comunistas não pensam duas vezes, curtem o post e ainda comentam abaixo: “Combinado. Se os ingleses acharem ruim, entramos em guerra com eles. Tô afim de uma briga!”.

Alguns posts abaixo, o leitor se depara com outro episódio crucial do conflito, com a Alemanha postando no próprio mural: “Invadimos a URSS. Chupa, Stalin666!”. O post fictício representa a Operação Barbarossa e é curtido por Bulgária, Itália e Japão, não por acaso aliado dos alemães no confronto.

Já para simular a invasão dos EUA à França ocupada pelos alemães, na Normandia, Paulo exibe o suposto perfil de Dwight Eisenhower, então comandante das forças aliadas, criando um evento chamado “O Dia D – Festa na Praia”. EUA, Reino Unido, URSS e mais 32 países curtiram o evento, criado em 1944.

E como o Brasil entra na Segunda Guerra? “EUA adicionou Brasil no grupo ‘Os Aliados'”.

– Humor sempre fez parte de meu trabalho. Minhas aulas costumam envolver algum tipo de interpretação, de brincadeira orquestrada para chamar a atenção e facilitar a interação com os alunos – explica o professor.

A criatividade de Paulo já lhe rendeu convites para escrever livros de História apenas neste formato de Facebook, mas por falta de tempo, o professor teve de declinar da oferta. Ele conta que recriar toda a Segunda Guerra em Facebook não lhe tomou muito tempo. Na verdade, o trabalho foi feito numa tarde, 1 de janeiro do ano passado, “um dia geralmente lento e sem opções de distrações”, segundo ele. O docente mostrou aos alunos sua invenção, e o sucesso foi tamanho que ele resolveu publicar em seu blog de História. Resultado, quase 600 comentários na página e mais de 12 mil de compartilhamentos nas redes sociais.

Veja aqui o blog do professor Paulo Alexandre Filho.

Com informações de O Globo.

13 de Outubro de 1307: A “Sexta-Feira 13” do fim os Templários da França, a ordem de Monges-Soldados

temp00

Ordem se tornou famosa na Terra Santa e adquiriu poder e riqueza, atraindo a inveja dos feudais e a cobiça dos soberanos.

Na manhã de 13 de outubro de 1307 (sexta-feira), todos os Templários da França são presos por ordem do rei Felipe IV o Belo. Esse ato de violência arbitrária pôs fim a uma Ordem de Monges-Soldados, de mais de dois séculos, que se tornou famosa na Terra Santa e que adquiriu poder e riqueza, atraindo a inveja dos feudais e a cobiça dos soberanos.

A Ordem dos Templários nasceu na Terra Santa em 1119, após a Primeira Cruzada, por iniciativa do cavaleiro Hugues de Payns que queria proteger os peregrinos que visitavam Jerusalém. Foi oficializada pelo Concílio de Troyes,nove anos depois, por iniciativa de São Bernardo de Claivaux.

O prestígio dos monges-cavaleiros de capa branca marcada por uma cruz vermelha era imenso durante os dois séculos de cruzadas. O malgrado foi a traição do grande-mestre Gérard de Ridefort na batalha de Hattin, em 1187.

temp1

Entre os 140 templários de Paris, 54 foram levados à fogueira. Wikicommons.

A oitava e derradeira cruzada acabou com a morte trágica do rei São Luis em Tunis em 1270. Desde então, as últimas possessões francas na Terra Santa caem definitivamente nas mãos dos muçulmanos.

No começo do século 13, a Ordem dos Templários, expulsa da Palestina, dispunha ainda de uma força militar impressionante de 15 mil homens, bem mais do que qualquer rei da cristandade. Contudo, de soldados, os Templários se converteram em usurários, tendo perdido completamente de vista a reconquista dos Lugares Santos.

Ocorre que consideráveis doações tornaram a ordem bastante rica e a transformaram numa das principais instituições financeiras ocidentais e, aparentemente, a mais segura delas. Passou, desse modo, a gerir, como verdadeiros banqueiros, os bens da Igreja e dos reis do Ocidente (Felipe o Belo, João Sem Terra, Henrique III, Jaime I de Aragão …

As sedes que abrigavam os monges-soldados, com vocação para a caridade um tanto reduzida, cobriam o conjunto da Europa mediavel como uma verdadeira teia de aranha. Pode-se ainda hoje ver ao sul de Angouleme, França, uma capela, sede de uma das ramificações dos templários, com as paredes ornadas de pinturas que evocam as Cruzadas.

temp0

No entanto, a opinião europeia começa a se indagar sobre a legitimidade da Ordem. O próprio rei Felipe o Belo lembrava-se que os Templários  tinham se recusado a contribuir para o resgate de São Luis quando foi feito prisioneiro por ocasião da Sétima Cruzada. Defendendo uma ideia já antiga, levantada por São Luis e os papas Gregório X, Nicolau IV e Bonifácio VIII, Felipe desejava a fusão da Ordem dos Templários com sua concorrente a Ordem dos Hospitalários a fim de constituir uma força suficiente para preparar uma nova cruzada, desejada pelo papa Clemente V.

O tema foi colocado na ordem do dia de diversos concílios, chegando a ser elaborado um projeto pelo qual Luis de Navarra seria o grão mestre da nova Ordem. Seu dramático fracasso decorreu da oposição obstinada do grão mestre Jacques de Molay bem como da agressividade do ministro do rei, Guillaume de Nogaret.

Todos os templários da França foram finalmente presos pelos senescais e bailios do reino ao cabo de uma operação policial chefiado em absoluto segredo por Nogaret. Interrogados sob tortura pelos comissários reais foram depois enviados aos inquisidores dominicanos.

Entre os 140 templários de Paris, 54 foram levados à fogueira, acusados de sodomia ou de crimes como cuspir sobre a cruz ou de “beijos impudicos”. A população via nesse episódio a confirmação das ‘terríveis suspeitas’ sobre a crueldade dos templários e sua conivência com as forças do Mal.

Por Max Altman | São Paulo – 13/10/2013 | Opera Mundi.