Fontes limpas e renováveis correspondem a 83% da energia gerada no Brasil

Desde o início do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) 2, o Brasil aumentou em 4.244 Megawats (MW) sua capacidade geradora, com a entrada em operação de 52 empreendimentos. De acordo com balanço do programa divulgado hoje (19.11) pelo governo federal, 83% (3.525 MW) da energia agregada têm como origem fontes limpas e renováveis. A expectativa é de que outros 28.022 MW sejam agregados ao sistema a partir da conclusão de obras que já estão em andamento.

Parte da geração já agregada tem como origem a Usina Hidrelétrica de Santo Antônio, que tem seis turbinas em funcionamento, gerando 417 MW, e 19 usinas eólicas (UEE), que agregam outros 475 MW ao sistema. Há, ainda, 23 usinas termelétricas gerando 1.711 MW.

Com as 11 hidrelétricas cujas obras estão em andamento, o sistema poderá gerar 18.702 MW a mais de energia. Estão sendo construídas também 28 termelétricas, que vão gerar 6.868 MW, e 87 eólicas com capacidade para gerar 2.291 MW.

Atualmente há 23 linhas de transmissão sendo instaladas, com uma extensão de 10.657 quilômetros. Desde o início do programa, 13 subestações de energias e 17 linhas foram concluídas, totalizando 3.308 quilômetros para a transmissão da energia gerada.

Na área petrolífera, foram assinados contratos para a construção de 21 sondas, a um custo de R$ 29 bilhões. A indústria naval contabiliza a contratação de 228 empreendimentos pelo Programa de Expansão e Modernização da Marinha Mercante. Outros 81 já foram entregues.

O PAC 2 já investiu R$ 5,8 bilhões no setor de combustíveis renováveis, para o escoamento integrado à movimentação de álcool nos estados de Goiás, Minas Gerais, Rio de Janeiro e Belo Horizonte. Nesses investimentos estão incluídas obras de instalação para coleta, armazenamento e transporte por dutos, para permitir a saída da produção por meio de portos marítimos.

Com informações da Agência Brasil.

Anúncios

Atualidades: Israel amplia ofensiva em Gaza

© TelesurTV – Todos os Direitos Reservados.

Israel iniciou na madrugada desta sexta-feira (16.11.2012) a ampliação de sua ofensiva contra Gaza, seguindo determinação anunciada na véspera pelo chefe do Estado-Maior do Exército israelense, general Benny Gantz.

  • Crise ocorre em momento mais instável do Oriente Médio. http://goo.gl/2k03X
  • Ministro israelense diz que Gaza deve “voltar a idade média”. http://wp.me/x2vq

Além de alvos militares, como depósitos de armas e quartéis, o Exército israelense passou a bombardear também alvos civis ligados à infraestrutura e ao governo do Hamas na Faixa de Gaza.

Gantz havia anunciado decisão do gabinete israelense para ampliar “o número e a qualidade dos alvos” a serem atacados na Faixa de Gaza, no terceiro dia da chamada operação “Coluna de Nuvem”.

  • ‘Por que meu filho teve de morrer assim?’, diz editor da BBC em Gaza. http://goo.gl/W4der
  • Israel intensifica ataques a Gaza e destrói sede do Hamas. http://goo.gl/UD7by

De acordo com o governo israelense, o objetivo da operação é “restaurar a tranquilidade para o sul de Israel e recuperar o poder de dissuasão frente ao Hamas”.

A ofensiva, que conta com a participação da Força Aérea, da Marinha e da Infantaria, será reforçada com mais 16 mil reservistas, segundo o porta-voz do Exército, em uma “primeira etapa”.

© TelesurTV – Todos os Direitos Reservados.

Disparidade de forças
Durante a noite e a madrugada desta sexta-feira, as tropas israelenses bombardearam 250 alvos na Faixa de Gaza, inclusive um transformador elétrico que ficava próximo à residência do primeiro ministro do Hamas, Ismail Haniya, deixando grande parte da população da região sem energia.

Todos os grupos palestinos – Hamas, Jihad Islâmico, Comitê de Resistência Popular e grupos salafistas – se uniram nos ataques a Israel e, desde a tarde da quarta feira, quando começaram os confrontos, já lançaram mais de 300 foguetes contra as cidades israelenses.

A disparidade de forças entre Israel e os grupos palestinos fica cada vez mais evidente à medida que os confrontos se agravam.

A supremacia tecnológica do lado israelense possibilita que muitos dos foguetes lançados a partir de Gaza, que poderiam ter consequências fatais, sejam derrubados no ar, pelo sistema de defesa antimísseis chamado Domo de Ferro.

Todos os Direitos Reservados à G1

© G1 – Todos os Direitos Reservados.

O sistema derrubou cerca de 30% dos foguetes lançados e é programado para destruir os foguetes que irão cair em áreas habitadas. Mesmo assim, um dos foguetes atingiu um prédio residencial na cidade de Kiriat Malachi, no sul de Israel, matando três civis israelenses.

De acordo com os analistas militares, o Domo de Ferro é “eficaz, mas não é hermético”.

Dois misseis do tipo Fajer, de produção iraniana, foram lançados contra Tel Aviv, mas caíram em áreas abertas, sem deixar feridos ou danos materiais.

No entanto, para o governo israelense, o fato de que houve uma tentativa por parte dos grupos palestinos de atingir a maior cidade do país significa uma escalada que será seguida por um endurecimento do ataque a Gaza.

Tel Aviv, que não havia sido alvo de ataques desde a primeira Guerra do Golfo, em 1991, entrou nesta quinta-feira em estado de prontidão, quando as sirenes antiaéreas soaram em toda a cidade.

Pessoas que estavam nas ruas se jogaram ao chão, ou correram para prédios nos arredores, e depois do alarme as ruas da cidade se esvaziaram.

Apoio político
Faixa de Gaza, a maioria dos comerciantes fechou as lojas e a população tenta estocar alimentos, sem saber quanto tempo os confrontos irão durar.

Segundo as últimas informações, desde o início da ofensiva, 20 palestinos morreram e cerca de 200 ficaram feridos. Entre os palestinos mortos, no mesmo ataque que matou o líder do Hamas, morreu também um bebê de 11 meses, Omar, filho de Jihad Misharawi, um editor de imagens da BBC em Gaza. O irmão mais velho de Omar e seu tio estão em estado grave.

Na Faixa de Gaza, o Hamas dirige um comando central que integra todas as organizações armadas.

Em Israel, quase todos os partidos políticos manifestaram apoio à ofensiva.

A principal líder da oposição, Shely Yahimovitz, do Partido Trabalhista, afirmou que o ataque é “necessário e justificado”.

Só o partido social-democrata Meretz, que conta com 3 cadeiras (entre 120) no parlamento, e os três partidos que representam a população árabe-israelense (que têm 11 cadeiras), são contra a operação Coluna de Nuvem.

Com informações da BBC.

MEC divulga gabarito do Enem 2012

Os gabaritos do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2012 estavam previstos para amanhã (7.11), mas foram antecipados pelo Ministério da Educação (MEC). Você pode baixar os arquivos aqui:

Sábado, dia 3/11/2012
Gabaritos
CADERNO 1 – AZUL
CADERNO 2 – AMARELO
CADERNO 3 – BRANCO
CADERNO 4 – ROSA

Domingo, dia 4/11/2012
Gabaritos
CADERNO 5 – AMARELO
CADERNO 6 – CINZA
CADERNO 7 – AZUL
CADERNO 8 – ROSA

Nos dois dias de prova, mais de 4 milhões de estudantes responderam a 180 questões de múltipla escolha, além da redação. Os resultados individuais com a pontuação obtida por cada participante estão previstos para 28 de dezembro.

Saiba como é calculada a nota do ENEM
A metodologia de correção utilizada no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) é a  Teoria de Resposta ao Item (TRI). Neste modelo estatístico, o valor de cada uma das questões irá variar de acordo com o percentual de acertos e erros de estudantes naquele item. Ou seja: um item que teve alto índice de acertos será considerado fácil e, por essa razão, valerá menos pontos na composição da nota final. Já o estudante que acertar uma questão que teve um alto índice de erros ganhará mais pontos pelo item.

A TRI é o modelo estatístico utilizado na correção do EnemPor essa razão, não é possível calcular qual foi a sua nota final apenas contabilizando o número de erros e acertos em cada uma das provas. Na TRI, leva-se em conta para o cálculo da nota o nível de dificuldade de cada questão. Dessa forma, dois participantes que acertaram o mesmo número de itens podem ter médias finais diferentes.

Também não é possível comparar o número de acertos nas provas de diferentes áreas do conhecimento. Por exemplo: se um aluno acerta a mesma quantidade de itens nas provas de matemática e ciências humanas, não significa que a pontuação obtida será igual. Isso porque o nível de dificuldade de cada prova e dos diferentes itens que a compõe afetam esse cálculo final.

Esse cálculo complexo é feito pelo próprio Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep) e os resultados finais serão divulgados em 28 de dezembro. Diferentemente dos vestibulares tradicionais, no Enem não existe uma pontuação máxima e mínima que o participante pode atingir – com exceção da redação, que não é corrigida pela TRI e cuja nota varia de 0 a 1000.

Para saber se foi bem na prova, o estudante deverá comparar seu desempenho em uma escala construída pelo Inep com as notas mínimas e máximas obtidas pelos participantes. Essa escala só será divulgada junto com os resultados finais. Em 2011, as notas dos candidatos em ciências humanas variaram entre 252,6 e 793,1 pontos. Na prova de ciências da natureza, a nota máxima foi 867,2 e a mínima 265. Em matemática, a pontuação mínima foi 321,6 e a máxima 953. Em linguagens, a nota mais alta foi 795,5 pontos e a menor 301,2 pontos.

Saiba mais:


Com informações do Portal do INEP e Agência Brasil – EBC..

Melhoria no desempenho escolar é o melhor efeito do Bolsa Família

O impacto no desempenho escolar das crianças cujas famílias recebem recursos por meio do Bolsa Família é o efeito mais surpreendente da implementação do programa, há nove anos. De acordo com a ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Tereza Campello, essas crianças têm níveis maiores de aprovação e índices mais baixos de evasão escolar.

Em entrevista hoje (1º) ao programa Bom Dia, Ministro, produzido pela Secretaria de Comunicação Social da Presidência em parceria com a EBC Serviços, a ministra destacou que, em 2010, enquanto 75% dos jovens da rede pública foram aprovados, a média de aprovação entre os jovens do Bolsa Família atingiu 80%. Além disso, a evasão de toda a rede escolar foi 11% e entre os estudantes incluídos no programa, 7%.

“É a primeira vez na história que temos indicadores para a população pobre melhores do que para o conjunto da população. Esse é o elemento que mais temos que comemorar”, disse.

Segundo a ministra, os resultados em termos de educação mostram que “quando as famílias recebem os recursos do Bolsa Família se apegam à oportunidade”, e os jovens se esforçam porque compreendem que o benefício depende de sua participação.

Para receber o Bolsa Família, crianças e adolescentes entre 6 anos e 15 anos devem estar devidamente matriculados e cumprir frequência escolar mensal mínima de 85% da carga horária. Já os estudantes entre 16 anos e 17 anos devem ter frequência de, no mínimo, 75%.

A ministra enfatizou que os resultados do Bolsa Família também ajudaram a provar que as famílias mais pobres sabem empregar os recursos que recebem para melhorar as condições de vida. Ela ressaltou que o programa não incentivou as famílias a deixar de trabalhar.

“Todos os dados mostram que o emprego no Brasil cresceu exatamente nas regiões onde há mais beneficiários do Bolsa Família. [O programa] não só não gerou o efeito preguiça, mas também ajudou a dinamizar a economia nessas regiões”, disse, ao acrescentar que os recursos são usados principalmente na compra de alimentos, medicamentos, vestuário, material de limpeza e de higiene, além de melhorias nas condições das moradias e em transporte.

Ela também destacou que a média de filhos por família entre os beneficiários do programa é 2,01, muito próxima à nacional: 1,9.

Durante o programa, Tereza Campello ressaltou que os investimentos federais no programa, que este ano somam R$ 20 bilhões, representam 0,46% do Produto Interno Bruto (PIB) – soma de todas as riquezas produzidas no país. Para ela, o maior desafio para os próximos anos é identificar famílias que atendam aos critérios de inclusão, mas que ainda não recebem os recursos.

“Queremos localizar essas famílias e para isso estamos em parceria com municípios, concessionárias de energia elétrica, entre outros”, disse, ao enfatizar que a busca ativa servirá para incluir mais brasileiros em todos os programas do Brasil sem Miséria, por meio do Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal.

Lançado em 2003 e implantado em janeiro de 2004, o Programa Bolsa Família atende a 13,7 milhões de famílias brasileiras com renda mensal até R$ 140 por pessoa. Atualmente, o programa integra o Plano Brasil sem Miséria.
De acordo com o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), mais de metade (51,1%) dos beneficiados do Bolsa Família se concentra na Região Nordeste. Até o final de 2011, os estados com mais famílias assistidas eram Bahia (1,75 milhão), São Paulo (1,21 milhão), Minas Gerais (1,16 milhão), Pernambuco (1,12 milhão) e Ceará (1,08 milhão).

Para receber os recursos do Bolsa Família, as famílias devem manter atualizado o cartão de vacinação e garantir o acompanhamento do crescimento e do desenvolvimento das crianças menores de 7 anos, além de atender às exigências referentes à frequência escolar.

Com informações da Agência Brasil.

 

Atualidades: Suspensa liminar que determinava retirada dos guaranis kaiowás de fazenda em Mato Grosso do Sul

Foi suspensa hoje (30.10) a liminar que determinava a retirada do acampamento dos índios guaranis kaiowás da Fazenda Cambará, em Mato Grosso do Sul. O anúncio foi feito pelo Ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, durante reunião com líderes indígenas na Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH). De acordo com a decisão da Justiça, os cerca de 170 índios que vivem no acampamento devem permanecer no local até que a demarcação de suas terras seja definida.

A decisão da desembargadora Cecilia Mello, do Tribunal Regional da 3ª Região (TRF-3) em São Paulo, acata o recurso apresentado pela Fundação Nacional do Índio (Funai) e pelo Ministério Público Federal (MPF). O agravo de instrumento, apresentado dia 16, representava contra uma liminar anterior, favorável à manutenção de posse proposta por Osmar Luis Bonamigo, dono da fazenda.

Em seu despacho, a desembargadora considerou que “o caso dos autos reflete, de um lado, o drama dos índios integrantes da Comunidade Indígena Pyelito Kue que, assim como outros tantos silvícolas brasileiros, almejam de há muito a demarcação de suas terras. E, de outro lado, o drama não menos significativo daqueles que hoje ocupam terras supostamente indígenas que, na maioria das vezes, adquiriram a propriedade ou foram imitidos na posse de forma lícita e lá se estabeleceram”. A magistrada declara ainda que “os indígenas se encontram em situação de penúria e de falta de assistência e, em razão do vínculo que mantêm com a terra que creem ser sua, colocam a vida em risco e como escudo para a defesa de sua cultura”.

A decisão foi recebida com entusiasmo pelos presentes à reunião. A ministra da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, Maria do Rosário, que presidiu o encontro, disse que o próximo passo é agilizar o processo de estudos para demarcação da terra indígena. “Essas pessoas têm empreendido uma luta com o apoio de toda a etnia guarani kaiowá e todos os guaranis e comunidades indígenas do Brasil”, disse referindo à luta dos guaranis kaiowás e de outras etnias em Mato Grosso do Sul pela demarcação de suas terras.

Solano Pires, líder guarani kaiowá do Acampamento Puelyto Kue, falando em guarani, expressou sua alegria com a decisão da Justiça e reafirmou a ancestralidade dos índios sobre a terra. “Essa tekoha [terra sagrada] é nossa. Meu avô e meu tataravô estão enterrado lá”, disse.

A desembargadora também revogou a multa diária de R$ 500 contra a Funai por descumprimento da decisão de retirar os índios do local. A Funai argumentou no tribunal que “não detém a tutela da comunidade indígena, não influencia na sua cultura, no modo de viver e nem mesmo foi responsável pela retomada da área em conflito”.

Cecilia Mell diz também que a Funai deve adotar todas as “providências no sentido de intensificar os trabalhos e concluir o procedimento administrativo de delimitação e demarcação de terras”. Também autoriza que outros órgãos governamentais possam ter acesso ao acampamento para prestar assistência aos índios.

Durante a reunião, José Eduardo Cardozo anunciou que já tomou várias medidas para assegurar melhores condições para os índio. Ele destacou o reforço no contingente da Força Nacional e da Polícia Federal para garantir a segurança no local, e que solicitou que a Funai agilize o processo de demarcação de terras.

O ministro disse que em até 30 dias será apresentado o relatório final definindo se a área reivindicada pelos índios. “Nós vamos aprovar dentro de 30 dias. Falta apenas a questão do levantamento fundiário para que o processo possa ser aprovado”. Apesar disso, o ministro reconheceu que o processo de demarcação das terras indígenas ainda deve demorar. “A questão da demarcação de terras indígenas é extremamente conflituosa. Nós temos decisões liminares que interrompem o processo. É difícil estimar um tempo para o próximo passo”, ressaltou.

Com informações da Agência Brasil.

ENEM 2012: Confira os locais de prova

Locais
Consulte, utilizando o CPF do candidato e a senha cadastrada, os locais de aplicação das provas do Exame Nacional do Ensino Médio – ENEM :

> http://sistemasenem2.inep.gov.br/localdeprova/localdeprova/login.seam <

Como são as provas
O Enem é composto por quatro provas objetivas, com 45 questões cada, e uma redação.

Confira os dias da prova:
  • Dia 3/11/2012 (1º dia): Ciências Humanas e suas Tecnologias e Ciências da Natureza e suas Tecnologias.
Tempo para a prova: 4h30min
  • Dia 4/11/2012 (2º dia): Linguagens, Códigos e suas Tecnologias, Redação e Matemática e suas Tecnologias.

Tempo para a prova: 5h30min

FIQUE ATENTO
Os portões de acesso são abertos às 12h e fechados às 13h. Recomenda-se que todos os participantes compareçam ao local de realização das provas até as 12h, de acordo com o horário oficial de Brasília.

IMPORTANTES DICAS

  • Verifique com antecedência na página do Inep o local de prova para o qual foi designado.
  • Faça o trajeto até o local da sua prova antes do dia do Exame.
  • Compareça ao local de realização das provas até as 12h (horário de Brasília).

Com informações do INEP.

IPEA: Em dez anos, renda dos mais pobres cresceu 90% no Brasil

Nos últimos dez anos, os 10% mais pobres do país tiveram um crescimento de renda acumulado de 91,2%, enquanto a parcela mais rica da população obteve nesse mesmo período um incremento de 16,6% da renda acumulada. Portanto, a variação do aumento de ganhos reais foi 5,5 vezes (550%) mais rápida para o décimo mais vulnerável dos brasileiros.

“Estatisticamente, em 2011 o Brasil atingiu o menor nível de desigualdade de sua história”, declarou nesta terça-feira, 25, o presidente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), Marcelo Neri, durante a coletiva pública de lançamento do Comunicado do Ipea nº 155 – A década inclusiva (2001-2011): Desigualdade, pobreza e políticas de renda. O estudo, apresentado por ele com a participação do técnico de Planejamento e Pesquisa do Instituto Pedro Souza, foi elaborado a partir da recente Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) de 2011, divulgada pelo IBGE, complementado por dados inéditos até agosto de 2012.

Marcelo Neri afirmou que a renda em crescimento e a redução da desigualdade são o caminho que o Brasil tem feito desde 2003. Ele também destacou que o ajuste nominal do salário mínimo, programas sociais como o Brasil Carinhoso, Brasil sem Miséria, Minha Casa Minha Vida e outras políticas do governo federal atuam na mesma direção da melhoria da renda do trabalho. “Os brasileiros acham que estão em um país, os macroeconomistas, em outro. O que é mais importante para explicar a renda das pessoas se não a renda do trabalho?”, afirmou.


Desigualdade horizontal
A pesquisa aponta que o combate à desigualdade horizontalizou melhorias de renda. Nesses dez anos, pessoas que vivem em famílias chefiadas por analfabetos tiveram 88,6% de aumento da renda, contra 11,1% de decréscimo para aquelas cujo chefe familiar possui 12 anos de instrução regular ou mais.

No Nordeste, a renda cresceu 72,8%, já no Sudeste, região mais rica do país, essa taxa foi de 45,8%. Entre aqueles que se consideram negros, o aumento de renda foi de 66,3%, e a população declarada como parda obteve melhoria de 85,5% do ganho pelo trabalho. Para os que se dizem brancos, o crescimento de renda foi de 47,6%.

Segundo o presidente do Ipea, a desigualdade mundial de renda caiu em grande parte devido o crescimento da China, bastante expressivo ao longo das últimas décadas, e da Índia, sobretudo nos anos 1990 e 2000. “Por mais que a desigualdade dentro desses e de outros países esteja crescendo, o avanço econômico e a melhoria de renda das suas populações têm causado o efeito mundial, pois esses países abrigam metade dos pobres do mundo”, frisou Neri.

Com informações do IPEA.