Filósofo Renato Janine Ribeiro será o novo ministro da Educação no Brasil

renato-janine-ribeiro

Renato Janine RIBEIRO (Araçatuba, São Paulo, 1949) é um professor de filosofia brasileiro. Atualmente é professor-titular da cadeira de Ética e Filosofia Política da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (FFLCH-USP). Recebeu o Prêmio Jabuti em 2001, bem como foi condecorado com a Ordem Nacional do Mérito Científico, em 1998, e com a Ordem de Rio Branco, em 2009.

A presidenta da República Dilma Rousseff convidou, nesta sexta-feira (27/3), o professor doutor Renato Janine Ribeiro para assumir o cargo de ministro da Educação, segundo nota divulgada pela Secretaria de Imprensa da Presidência da República (veja aqui).

A posse do novo ministro será no dia 6 de abril.

Renato Janine RIBEIRO é um filósofo brasileiro conhecido sobretudo por seus trabalhos sobre o pensador inglês Thomas HOBBES, acerca da cultura política nas “sociedades ocidentais dissidentes” (entre as quais inclui o Brasil e a América Latina) e por sua participação no debate político brasileiro.

Desde 1993, é professor titular de Ética e Filosofia Política da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (FFLCH), onde começou a lecionar em 1975, tendo-se porém afastado do exercício deste cargo em 2004 para assumir a Diretoria de Avaliação da Capes, órgão legalmente incumbido da avaliação e eventual fechamento dos programas de pós-graduação existentes no Brasil, que exerceu até outubro de 2008.

Concluiu o curso universitário de filosofia na USP; depois, fez mestrado na Université de Paris I Pantheon-Sorbonne em 1973. Mais tarde, já de volta ao Brasil, concluiu o seu doutorado pela Universidade de São Paulo (USP). Iniciou-se academicamente trabalhando em cima do pensamento de Thomas HOBBES, e depois abrangeu seus temas, interessando-se por filosofia política.

Veja abaixo, uma recente entrevista do filósofo na Revista Brasileiros onde ele reflete vários aspectos do contexto político. Entre vários temas, ele ressalta que os avanços sociais do governo federal se deram apenas pelo consumo, critica a falta de diálogo da presidenta Dilma Rousseff, o projeto policialesco da oposição, a onipresença do Judiciário e muito mais.

[…]

Renato Janine Ribeiro é um filósofo em sintonia com o seu tempo. Professor titular de Ética e Filosofia Política da Universidade de São Paulo, ele começou a carreira em meados dos anos 1970, estudando o filósofo inglês Thomas Hobbes (1588-1679). Não demorou a voltar-se para a reflexão e o debate sobre temas da sociedade atual, o que agora faz em diferentes cenários – da academia às redes sociais. Sem negar os avanços sociais registrados nos últimos 12 anos no Brasil, o filósofo lamenta que eles tenham se dado pela via do consumo: “O grande flagelo ético do Brasil é a miséria. Se o PT batesse nessa tecla o tempo todo e dissesse que está combatendo o problema, teria uma imagem ética que poderia sobrepor à discussão de corrupção”.

Em um momento conturbado da política nacional, Janine Ribeiro critica o isolamento da presidenta Dilma Rousseff, o excesso de protagonismo do Judiciário e a postura da oposição: “Há toda uma crônica policial que favorece o PSDB, assim como uma mídia que é simpática aos tucanos e detesta o PT. Isso leva o PSDB a ter um projeto mais policial do que político”. Para o filósofo, a proposta de impeachment só interessa à oposição “e, talvez, a uma parte da mídia”. Seja como for, na sua opinião, o melhor seria Dilma Rousseff terminar o mandato em condições razoáveis: “Qualquer outra coisa, seria dramático”.

Brasileiros – Como o senhor está vendo o momento político?

Renato Janine Ribeiro – Com muita preocupação. As eleições são recentes e pelo menos quatro chefes do poder Executivo estão com problemas sérios. A presidente da República e os governadores de São Paulo, Paraná e Rio Grande do Sul têm problema parecido, o descompasso entre o que prometeram e o que estão fazendo. Em São Paulo, a questão é a falta d’água. Alckmin alegou que não faltaria. No Paraná, o caso é mais acentuado, porque o governador realmente entrou em choque com os professores. Organizei inclusive um abaixo-assinado em apoio às universidades estaduais.

Que mudanças o governador Beto Richa está fazendo?

Ele simplesmente cortou o dinheiro. Cortou a transferência de verbas de custeio para algumas das principais universidades do Estado, como a de Londrina. No geral, foram várias medidas. O fato é que, no Paraná, o orçamento não está fechando. De alguma forma, em algum lugar, vai ter de cortar.

E ele acaba de ser reeleito.

Assim como Dilma e Alckmin. São três casos de governantes reeleitos que faltaram com o que prometeram. No Rio Grande do Sul é um pouco diferente, porque o governador José Ivo Sartori é mais um personagem folclórico, que se elegeu em um vazio político. A promessa implícita era de honestidade, mas ele está demonstrando falta de cuidado no gasto público. Um exemplo foi o uso de helicóptero para fazer um passeio. Enfim, são quatro lugares com problema. E o problema se torna candente no Paraná e na esfera federal.

Em São Paulo, a impressão que se tem é que nada pega em Alckmin, como se a crise hídrica fosse descolada da figura do governador.

Isso e os maus indicadores na Educação, na Saúde, em tudo mais. Nada basta para que os paulistas enjoem de um partido que não cumpriu o que prometeu. O PSDB sempre prometeu competência, qualidade de gestão. E depois de 20 anos seguidos de gestão em São Paulo deu esse problema.

Tem uma explicação para isso?

É difícil estabelecer, fora o fato de o Estado de São Paulo ter se tornado muito fortemente antipetista. Nesse sentido, qualquer crítica que tiver cheiro de esquerda é desqualificada. Não pega por uma questão ideológica, contrária ao PT. Qualquer sugestão na direção do PT não é sequer escutada por uma boa parte da população.

Esse fenômeno não ocorre em todo o Brasil? Não há um fortalecimento da direita?

Há o fortalecimento da direita, mas não é igual. No Nordeste, a partir da Bahia, não é assim. No próprio Estado de Minas, que elegeu um governador do PT, não é assim. Esse fenômeno está concentrado sobretudo em São Paulo, no Paraná, em alguns Estados que deram vitória muito clara a Aécio Neves. Não é um fenômeno nacional, embora seja verdade que, mesmo nos Estados em que o PT teve maior votação, uma parte significativa do empresariado é contra o PT.

Como é esse avanço?

A direita tem avançado em boa parte por causa da pouca disposição da esquerda em fazer o enfrentamento de ideias. E isso não se faz postando no Facebook fotos de Hugo Chávez de manhã à noite. A pessoa tem de conquistar quem discorda dela ou está indeciso. Não tem de ficar reforçando a própria turma. Hoje, na política brasileira, tucano fala para tucano, petista fala para petista. Ninguém convence ninguém. Com isso, se destrói um dos elementos básicos da política, que é a persuasão.

O movimento a favor de um impeachment está crescendo de forma perigosa?

O único lugar que as pessoas saíram à rua, em massa, protestando, pressionando, foi o Paraná, contra o governador. Lá, um Estado muito conservador, os professores tiveram, inclusive, a iniciativa de irem à casa dos deputados que eles elegeram e que apoiam Richa para cobrar deles uma posição. O caso federal é bem diferente, porque não tem uma mobilização nas ruas comparada à do Paraná. Pelo menos, não por enquanto. E o segundo ponto é que, a presidenta ou presidente, como quiser, Dilma não deu satisfação a ninguém.

Esse é um problema.

Esse é o grande problema. Porque Richa e os seus, de alguma forma, estão falando. Não convencem, mas estão falando. Agora, no plano federal, o PT não está dando nenhuma satisfação.

É um problema de comunicação ou é deliberado?

Deliberado não é, mas não é apenas uma questão técnica. Assessor ruim eles têm. Isso é óbvio. Só um maluco cumprimentaria a Beija-Flor no perfil oficial da Dilma, como foi feito. Falasse sobre o Carnaval da Bahia, falasse de Norte a Sul. É muito simples. Bastava ter alguma inteligência.

A escola com patrocínio da ditadura de Guiné Equatorial.

Na verdade, é uma concepção de governo que não precisa prestar contas à sociedade. É isso que a Dilma está mostrando. Uma concepção de governo muito inquietante, porque é, no limite, autoritária. Adota as medidas que precisam ser adotadas, mas não explica. E não explica por que prometeu fazer uma coisa e está fazendo o contrário.

É o que aconteceu na reorientação da política econômica?

Isso. Os cortes nos programas sociais também poderiam ter sido explicados. A questão do defeso, da compensação para o pescador no período em que ele não pode trabalhar. Poderia ter explicado que o defeso é alvo de muita fraude. Poderia ter colocado isso mais a público. Não colocou. Não há nenhuma satisfação sendo dada. E os ministros continuam tendo as orelhas puxadas cada vez que falam uma coisa de que ela não gosta. Não há autonomia dos ministros.

De nenhum deles?

Os ministros com mais autonomia são o Joaquim Levy e o Juca Ferreira. O primeiro justamente por ser quase uma intervenção tucana na economia, um símbolo do descumprimento da promessa de campanha. O segundo está em uma pasta para mim fundamental, mas não para o governo, que é o Ministério da Cultura. Mas Juca Ferreira tem força no meio cultural que dá a ele grande autonomia. Como ele maneja um orçamento pequeno, comparado com o resto, provavelmente não vai levar puxão de orelha. Os outros ministros correm o risco de terem a orelha puxada o tempo todo. O que torna difícil para eles irem a público. Vão defender o quê? De repente, muda tudo. Defendem o governo e recebem uma correção de cima.

Ao mesmo tempo, o PMDB parece estar cada vez mais forte, independente, até mesmo chantageando. O vice-presidente Michel Temer já avisou que não tem controle sobre o partido.

São várias coisas. Se Dilma conversasse com Temer e Lula, ela certamente teria mais apoio. A sensação é que a presidente se isolou muito, que ela não conversa com gente de peso. Temer tem peso institucional. O ex-presidente Lula tem a força carismática, a popularidade, inclusive no meio empresarial. Por outro lado, o PMDB conta hoje com os três sucessores constitucionais à Presidência da República: o vice-presidente, o presidente da Câmara dos Deputados e o presidente do Senado Federal. Não se esperava isso. Então, o PMDB está adquirindo força só pelo vazio que o PT está deixando na política. O PT desocupou o espaço que tinha. Não desocupou com Dilma porque ela não gosta de política. O PT começou a esvaziar com Lula.

Quando?

No começo de 2003. Uma das primeiras medidas que Lula fez votar foi a Reforma da Previdência, que nunca foi do programa do PT. Isso levou à saída dos que depois formaram o PSOL. Começou um processo em que o PT parou de ter um discurso, em que o presidente do PT é uma pessoa que fica em segundo, terceiro plano. É mais importante ser ministro de uma pasta secundária do que presidir o PT, ou ser líder do governo no Senado ou na Câmara. Quer dizer, os cargos essencialmente políticos foram sendo esvaziados em favor do ministério.

O que o partido defendia não era compatível com o que é possível fazer no Executivo?

Esse é um dos lados da questão. Mas poderia, ainda assim, explicar o processo, dizendo, por exemplo, que elegeu menos de 20% da Câmara e não pode governar sozinho. Há um discurso óbvio: o governo Lula foi fantástico do ponto de vista da inclusão social. Isso não teria sido possível em uma política de enfrentamento. Se os meus amigos intelectuais tivessem conseguido botar para fora o Henrique Meireles (presidente do Banco Central), Lula não teria durado. O governo dele teria sido uma calamidade. Tudo o que PT fez no governo foi porque Lula amarrou os acordos. Minha questão é que não houve um trabalho político em cima desses acordos. E o ponto político essencial, na verdade, é ético. O PT era o grande partido ético brasileiro. Hoje, o PT conseguiu a fama de ser um partido antiético.

Na verdade, a fama é de ser um partido corrupto.

O PT teria de perceber que toda a inclusão social foi transformada em um grande projeto de consumo. Não se tornou um projeto ético. No século 19, o grande flagelo ético do Brasil era a escravatura. Hoje, o grande flagelo ético é a miséria. Não estou falando nem da pobreza. Um país com milhões de miseráveis é uma droga. Se o PT batesse nessa tecla o tempo todo e dissesse que está combatendo o problema, ele teria uma imagem ética que poderia sobrepor à discussão de corrupção.

O PT bate nessa tecla.

Não do ponto de vista ético. Ele bate nessa tecla do ponto de vista do consumo. Diz que melhorou o consumo das pessoas. A oposição, no discurso dela contra a corrupção, jamais levanta a questão da miséria. Não estou dizendo que a oposição quer a miséria. Mas em nenhum discurso dos líderes da oposição se vê a miséria como uma chaga ética. Para eles, a chaga ética é o desvio de dinheiro. Não parecem estar se ofendendo com a miséria. Esse era um ponto em que o PT poderia bater, mas não faz isso. Ele deixou todo o campo da discussão ética em mãos da oposição.

O PT não perdeu o discurso da ética depois de 2005, do Mensalão? O senhor fala em 2003.

Talvez você tenha razão. Falo em 2003 porque, em primeiro lugar, o PT não deu satisfação nenhuma da mudança de programa, da priorização da Reforma da Previdência. Segundo, o partido tornou-se figurante no projeto lulista. Em 2003, Lula está tomando assento, não dá tempo de fazer uma grande discussão popular. Em 2004 e 2005, tem o Mensalão e ele reage aumentando os programas sociais. Em seguida, vem a cornucópia de votos, o segundo mandato e toda a popularidade que Lula granjeou com os programas sociais. Deste ponto de vista, há uma época áurea, não só para o PT, mas para o Brasil.

Até no protagonismo internacional.

Tudo. Faltou estruturar isso em uma sustentação popular que fosse além do bolso. Acabou ficando muito o bolso. Até porque não dá para cobrar de um partido o que ele não poderia fazer. Fazer o enfrentamento do capital teria sido muito difícil. Agora, o que não deixa de ser meio triste é que houve 12 anos de governo do PT, sem enfrentar jamais o capital.

Sem ao menos negociar.

Negociar, negociou. Nunca houve um enfrentamento de choque. No entanto, esse setor empresarial está muito descontente. Pelo que ouvi dos empresários, o descontentamento inicialmente não era com o PT. Era com Dilma. Tanto que um ano atrás, os empresários poderosos queriam Lula. Não queriam outro. Em 2010, eles queriam Lula. Não sendo Lula, eles preferiam Serra a Dilma porque conheciam Serra. No ano passado, eles preferiam Lula a Dilma. E preferiam Lula a Aécio. Quando Lula não entrou na campanha, eles foram para o outro lado. E Dilma conseguiu, não sei de que maneira, torrar o patrimônio que ela amealhou no segundo turno.

Com um Executivo ausente e um Legislativo que só defende causa própria, o Judiciário está ocupando um espaço desproporcional?

Sim. O Judiciário, as profissões correlatas, a Procuradoria Geral da República, tudo. Há um processo pelo qual muito está sendo decidido por eles. É preocupante porque, em um Estado Democrático, eles devem ter um papel subsidiário. Não essencial. Um exemplo: a Constituição de 1988 é programática. Se um governo decidisse não promover o aumento real do salário mínimo todo ano, poderia ser questionado. É um aspecto que a Constituição propicia. Agora, o Judiciário está indo para questões muito específicas. Ele se beneficia do fato de ser atualmente o poder em última instância. É o que declara tudo.

Até permitiu que um juiz saísse com o Porsche de um réu.

Isso já é uma deformação grande. Há juízes que estão barbarizando. Um prendeu os funcionários da companhia aérea em Imperatriz quando estava atrasado para o embarque, o outro tripudiou a agente de trânsito no Rio de Janeiro. Ele teve o endosso do Tribunal de Justiça do Rio, o que é muito grave. Para a opinião pública, o Tribunal de Justiça proclamou que os juízes são deuses. Há duas profissões com péssima mídia. Juízes e médicos. São as duas profissões que estão com imagem junto à sociedade de gananciosas, de interesseiras, de egoístas, de pouca preocupação com o bem comum. Claro que a maior parte não é assim.

Por que os médicos? Por causa da reação de parte deles quanto ao programa Mais Médicos?

Coincide, mas a questão mesmo são os casos de abuso. Um relato recente foi o de Néli Pereira, jornalista da BandNews FM, que foi a um médico de convênio, em um bom hospital de São Paulo. O médico disse que não iria atendê-la, que não dava para fazer uma consulta boa pelo convênio, que pagava a ele R$ 40 reais. Falou para ela ir no amigo dele, que cobra R$ 700. E aproveitou para pedir para participar do programa dela. Um absurdo. Como um médico dá um malho de 700 paus e ainda acha que a pessoa vai promovê-lo no programa dela? É ser muito sem noção. Esse é um aspecto que está batendo na sociedade brasileira. Há pessoas que não se dão conta do que fazem. Acham normal agir de uma forma antissocial.

Às vezes, soltam a porta em cima da pessoa que está passando. Falta um comportamento ético?

É ético, mas se pode dizer que está faltando o mínimo de boas maneiras, de educação, de percepção do outro. A capacidade de se colocar no lugar do outro sumiu. Esse é um traço que está acontecendo. Quando se tem uma sociedade que só se orienta em direção ao consumo, é difícil estabelecer outra coisa. E acho que o mérito e o fracasso da inclusão social do governo Lula é ter sido basicamente pelo consumo. Por que é um mérito, uma vantagem? Porque pelo consumo se deu bem com o empresariado, com a produção. Quando se inclui pelo consumo, as pessoas compram mais geladeira, mais carne, mais ovo…

E também ficam mais felizes. Em um primeiro momento, elas não tinham geladeira e queriam ter. Faltou um segundo momento?

Acho que deveria ter sido simultâneo. Deveria ter insistido o tempo todo no tema que Dilma adotou – País rico é país sem pobreza. Se fosse usado pra valer, desde o começo do governo Lula, esse tema é um projeto de País. Não é um projeto de bolso. E você teria resultados. Um problema que os tucanos apontam muito, com razão, é o despreparo da mão de obra. Os programas sociais são bons, mas muitas pessoas entraram em uma zona de conforto, em vez de se prepararem para serem melhores trabalhadores.

Qual a saída?

Associar os programas sociais fortemente com educação, com treinamento da mão de obra. Claro que tem o Pronatec, tem programas bons, mas é preciso expandi-los.

O PSDB falou na campanha. Qual teria de ser o papel da oposição hoje?

O PSDB tem um espaço para abraçar a agenda do empreendedorismo. O PSDB está mais para ser um partido do grande capital do que do empreendedor. Não é social-democrata, mas tem um foco mais liberal. O grande espaço deles seria: “Vamos ser liberais”. O ideal seria uma meta do tipo ter dez milhões de empreendedores em quatro anos. O avanço para a economia seria significativo e o partido conseguiria uma base extremamente forte.

Mas como o PSDB está agindo hoje?

Sabe o caminho das rosas e o caminho dos espinhos? O PSDB está procurando o caminho das rosas, que é o mais fácil. E o caminho mais fácil é o quê? Há toda uma crônica policial que os favorece, assim como uma mídia que é simpática a eles e detesta o PT. Isso leva o PSDB a ter um projeto mais policial do que político. Eles estão vendendo para si próprios a ideia de que quase venceram a eleição. E isso os está cegando e os tornando incapazes de fazer uma crítica do que poderiam ter feito e de como atuar hoje. Hoje, está claro o seguinte: como o governo da Dilma foi uma decepção do ponto de vista econômico, então, a política que ela está adotando agora é tucana. Com ressalvas, mas é parecida com a dos tucanos.

Como Lula no primeiro mandato?

Com a diferença de que Lula recebeu uma herança difícil e Dilma pega sua própria herança. Como o Richa. O PSDB poderia ter muitas propostas, ser mais transparente. Um problema sério das campanhas foi o ocultamento de dados fundamentais. No fim das contas, o PSDB concordou com o Bolsa Família. Mas esse programa não é o grande motor das mudanças sociais. O grande motor é o aumento real do salário mínimo. E isso o PSDB iria reduzir, com o argumento bom de que a economia brasileira não comporta elevar o mínimo em termos reais. O PSDB poderia ter entrado nessa discussão depois das eleições.

O PSDB está muito raivoso.

Sim. Porque acha que, se sacudir um pouco a árvore, tudo cai no colo dele.

Há alguma semelhança entre o atual momento e a República do Galeão?

Não chega a ter. O projeto golpista contra o getulismo contou como atores principais a UDN, o empresariado urbano e rural, o governo dos Estados Unidos e os militares. Hoje, os militares não querem o poder. E os setores de direita querem muito pouca interferência estatal. E chamar os militares para não fazer nenhum tipo de intervenção estatal me parece contraditório. Então, os militares estão fora. O governo dos Estados Unidos talvez veja com simpatia a queda de Maduro (Nicolás Maduro, da Venezuela) ou uma derrota do grupo de Cristina (Cristina Kirchner, da Argentina) nas eleições. O Brasil é muito grande para o governo americano se meter em uma aventura. E nem representa nenhuma ameaça a eles. O máximo que aconteceu foi que, em um episódio, a Dilma fechou a cara para eles.

E o empresariado?

Eu me pergunto qual seria a lógica de trocar Joaquim Levy por uma convulsão social. Ele já responde a uma parte substancial das demandas do mercado. Ele talvez seja o único ministro indemissível desse governo. Não apenas porque ele é forte. Se ele se demitir, todos saberão que Dilma não apoiou seu projeto de recomposição da economia. Se eu sou empresário, eu prefiro o Levy a Armínio Fraga, se o preço de o Armínio entrar for um processo complicado deimpeachment, com manifestações na rua, com contramanifestações, greves. Se o governo for mais à direita pelo fruto de um processo não democrático, como aconteceu no Paraguai e em Honduras, haverá fortes riscos de a sociedade entrar em uma crise séria. Isso não é bom para os empresários.

Quem quer o impeachment?

Não vejo vontade de tirar a Dilma do governo, a não ser do próprio PSDB e talvez de setores da mídia. A carta-testamento de Getúlio tem uma parte muito triste afirmando que o povo nunca mais será escravo. Foi. Houve mais 20 anos de ditadura. Hoje, temos uma classe dos mais pobres com muito mais autonomia. O pobre de algumas décadas atrás era mais humilde. Hoje, é muito mais afirmativo.

Qual é sua posição em relação à regulação da mídia?

O que a esquerda tinha de fazer é constituir órgãos de mídia. Nestes 12 anos de governo do PT, não fomos além de uma proliferação de blogs, que alguns chamam de sujos. Alguns são bons; outros são péssimos. Mesmo os melhores não cobrem o que o jornal cobre.

O que a presidenta Dilma pode fazer para afastar a ideia de impeachment?

Dilma deveria fazer política, no sentido de reconquistar o eleitorado. Enquanto a oposição faz coisa de polícia, e não de política, o governo não está fazendo nenhuma das duas coisas. Por que Dilma foi escolhida? Eu sempre tive a convicção de que Patrus Ananias teria muito mais o perfil (para a Presidência), por ser alguém que teve sucesso nas políticas sociais, que já tinha exercido cargos de chefia, ter uma origem no PT mais antiga e circular bem politicamente. Provavelmente, Lula a escolheu porque achou que dos nomes possíveis do PT era a mais próxima do empresariado. Eu pensava que ela iria fazer uma política mais de direita, mais próxima dos empresários.

Por quê?

Dilma não parece ter muita simpatia por um elenco de temas de esquerda. Ela nem tem familiaridade com os termos. Tempos atrás, ela falou sobre opção sexual e não orientação sexual. Um presidente da República que vai falar tem de ser brifado. Nenhum presidente ou chefe tem de saber tudo. Ele tem de saber menos do que cada um de seus ministros. Mas ele tem de fazer política.

Para isso, ele tem de ouvir.

Dizem que ela intervém demais nos ministérios, que não tem muita confiança (nos ministros). Tivemos uma eleição mais alicerçada nos defeitos de um candidato do que nas qualidades do outro. Não foi uma eleição em busca do melhor. E estamos com um problema grande hoje porque não vemos uma saída. Não vejo um horizonte de melhora na disputa política. Mas vamos pensar no que é melhor para o Brasil e não para o PT.

O que é melhor?

Que Dilma termine o mandato em condições razoáveis. Qualquer outra coisa seria dramático. Se Dilma acabar renunciando, ou pior ainda, se sofrer um impeachment, este País vai ficar em um conflito muito grande. Não adianta Temer fazer um governo melhor, porque a temperatura estará aquecida. Mas vamos pensar em 2018. O PT pensa no Lula e o PSDB, pelo visto, vai de Aécio, Serra ou Alckmin. Do quarteto que toma decisões, o único que não deve concorrer é o Fernando Henrique. Beto Richa, que poderia entrar no clube depois de o PSDB ter perdido em Minas, está sob um tiroteio muito forte.

Há risco real de impeachment?

Não temos prévias disso. A única prévia é o governo Collor. Ele foi eleito, assumiu o cargo legitimamente, e acabou ejetado por uma agenda policial. Mas Collor não tinha nenhum apoio de partido ou movimentos e fracassou redondamente. Hoje, há a busca de um pretexto para tirar a Dilma. E ninguém tem argumento policial forte. Estão procurando.

E se encontrarem?

Se encontrarem algum sinal de que ela tampou a corrupção na Petrobras, vai ser feio, muito feio. Mesmo que ela tenha feito isso a contragosto. Mas o problema não é esse. O problema é o descontentamento de uma parte da sociedade. Quem votou nela está meio estupefato, pelo caminho que Dilma tomou e não se sabe se esta medicina mais neoliberal vai funcionar ou não. Outro ponto importante é que parte do PT tem posições conservadoras. Em junho de 2013, o partido condenou os protestos. Em outras condições, o PT nadaria de braçada. É a ideia de Sartre: há sempre razões para se revoltar. A revolta é legítima. Outra coisa: o PT virou o partido que diz em público compreender a corrupção. Isso é muito ruim. Os protestos contra as condições de encarceramento dos empresários saíram mais de pessoas ligadas ao PT do que de partidos de direita.

Tem chance de uma força política nova emergir no Brasil, como ocorreu na Grécia, com o Syriza?

Seria bom demais, mas acho muito difícil. É difícil porque o que se colocou à esquerda do PT, o PSOL, tem falhas sérias de projeto, de programa. Tirando Jean Wyllys e outros poucos, o pessoal não tem faróis muito altos. O nosso sistema tem uma coisa muito boa: o período de campanha eleitoral, sobretudo para presidente, ele destroça quem não tem consistência. Dilma levou três anos de cacete. Aécio levou um ano de porrada. Marina não aguentou dois meses. O fato de se ter um projeto mais ou menos consistente conta. Hoje, não visualizo isso em ninguém. O PT e o PSDB são fracos nesse ponto. Apesar de todas as críticas ao PT, acho o PSDB pior do que o PT, mas eu não gostaria de continuar votando no mal menor.

Link curto para a entrevista: http://brasileiros.com.br/950Xw
Anúncios

O espaço de comentários do Blog do Prof. Omar Martins será moderado. Não serão aceitas mensagens: • que violem qualquer norma vigente no Brasil, seja municipal, estadual ou federal; • que contenham conteúdo calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade, ou que desrespeite a privacidade alheia; • que contenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas; • que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica; de cunho comercial e/ou pertencentes a correntes ou pirâmides de qualquer espécie; • que caracterizem prática de spam; • anônimas ou assinadas com e-mail falso; • fora do contexto da matéria; • exclusivamente em caixa alta; • com mais de dois mil caracteres.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s